Processo Constitucional Brasileiro - Ed. 2020

Bibliografia

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Abbagnano, Nicola. Diccionario de Filosofía. 4. ed. México: FCE, 2004, verbete nominalismo, p. 768.

_____. Dicionário de filosofia. Trad. Ivone Castilho Benedetti. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Abboud, Georges. Controle de Constitucionalidade pelo CNJ: o correto novo entendimento do STF. Revista dos Tribunais. v. 990, p. 55-65. São Paulo: Ed. RT, 2018.

_____. A (in) dignidade da legislação e o pacote "anticrime". Consultor Jurídico. Disponível em: [ https://www.conjur.com.br/2020-jan-10/georges-abboud-indignidade-legislacao-pacote-anticrime ].

_____. Constituição Federal vs Eficiência: a importância da decisão do STF no HC 166373 . Consultor Jurídico. Disponível em: [ https://www.conjur.com.br/2019-out-03/georges-abboud-vitoria-constituição-eficientismo ].

_____. Consequencialismo jurídico: o lugar da análise de consequências em direito e os perigos do ativismo judicial consequencialista, Revista dos Tribunais, v. 1009, nov./2019.

_____. Crítica à jurisprudência do STF em matéria de controle de constitucionalidade. Revista de Processo, v. 215, 2013.

_____. Da (im) possibilidade de relativização da coisa julgada inconstitucional. Revista de Direito Privado, n. 23, 2005.

_____. Democracia e Forbearance: reflexões acerca das regras implícitas no jogo democrático. Revista de Processo, v. 299, p. 19-42, 2020.

_____. Discricionariedade administrativa e judicial. São Paulo: Ed. RT, 2014.

_____. Jurisdição constitucional e direitos fundamentais. São Paulo: Ed. RT, 2011.

_____. O dilema do direito: entre Huxley e Orwell. Revista dos Tribunais, v. 102, n. 935, p. 167-179, 2013.

_____. O julgamento das ADCs 43, 44 e 54 pelo Supremo Tribunal Federal e o absurdo. Consultor Jurídico. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2019-nov-14/georges-abboud-julgamento-adcs-43-44-54-absurdo ].

_____. O mito da supremacia do interesse público sobre o privado – A dimensão constitucional dos direitos fundamentais e os requisitos necessários para se autorizar restrição a direitos fundamentais. Revista dos Tribunais, v. 100, n. 907, p. 61-119, 2011

_____. O processo civilizador e os direitos fundamentais. História e Cultura, v. 4, 2015.

_____. Precedente judicial versus jurisprudência dotada de efeito vinculante – a ineficácia e os equívocos das reformas legislativas na busca de uma cultura de precedentes. In: Arruda Alvim Wambier, Teresa (Org.). Direito jurisprudencial. São Paulo: Ed. RT, 2012.

_____. Processo constitucional brasileiro. São Paulo: Ed. RT, 2016.

_____. Processo constitucional brasileiro. 3. ed., São Paulo: Ed. RT, 2019.

_____. Submissão e juristocracia. Revista de Processo, v. 41, n. 258, p. 519-527, 2016.

_____. Súmula vinculante versus precedentes: notas para evitar alguns enganos. Revista de Processo, v. 165, p. 218-230, 2008.

_____. STF vs. vontade da maioria: as razões pelas quais a existência do STF somente se justifica se ele for contramajoritário. Revista dos Tribunais. v. 101, n. 921, p. 191-211, 2012

_____; Carnio, Henrique Garbellini. Direito subjetivo: conceito, teoria geral e aspectos constitucionais. Revista de Direito Privado. v. 13, n. 52, p. 11-30. São Paulo: Ed. RT, 2012.

_____; Carnio, Henrique Garbellini; Oliveira, Rafael Tomaz de. Introdução à teoria e à filosofia do direito. 3. ed. rev., mod. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2014.

_____; CARNIO, Henrique Garbellini e OLIVEIRA, Rafael Tomaz de. Introdução ao direito: teoria, filosofia e sociologia do direito. 4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Ed. RT, 2015.

_____; Lunelli, Guilherme. Ativismo judicial e instrumentalidade do processo: diálogos entre discricionariedade e democracia. Revista de Processo, n. 242, abr. 2015.

_____; LUNELLI, Guilherme e SCHMITZ, Leonard. Como trabalhar - e como não trabalhar – com súmulas no Brasil: um acerto de paradigmas. In: MENDES, Aluisio Gonçalves de Castro; MARINONI, Luiz Guilherme e ARRUDA ALVIM WAMBIER, Teresa. Direito jurisprudencial, São Paulo: Ed. RT, 2004. v. II.

_____ e NERY JUNIOR, Nelson. Inovações e polêmicas sobre RE e REsp no CPC-2015: funções dos Tribunais Superiores, recursos contra juízo de admissibilidade e embargos de declaração formadores de causa decidida ficcional. In: DELFINO, Lucio; ARRUDA ALVIM, Teresa e CIANCI, Mirna (Org.). Novo CPC aplicado: visto por especialistas, São Paulo: Ed. RT, 2017.

_____; Nery Junior, Nelson. Pontes de Miranda e o processo civil: a importância do conceito da pretensão para compreensão dos institutos fundamentais do processo civil. Revista de Processo, v. 231, n. 39, p. 89-107, São Paulo, 2014.

_____; Oliveira, Rafael Tomaz de. A gênese do controle difuso de constitucionalidade. Revista de Processo, v. 229, 2014.

_____; _____. O dito e o não dito sobre a instrumentalidade do processo: críticas e projeções a partir de uma exploração hermenêutica da teoria processual. Revista de Processo, v. 166, p-47-59, São Paulo, 2008.

_____; _____. O Supremo Tribunal Federal e a nova separação de poderes. Revista de Processo, v. 233, São Paulo, 2014.

_____; _____. Posner vs. Dworkin: um debate sobre o lugar da teoria no direito. Ronald Dworkin e o Direito brasileiro. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

_____; Rossi, Julio. Ponderação à brasileira. Revista de Processo, v. 42, n. 269, São Paulo, 2017.

_____; Santos, Maira Bianca Scavuzzi de Albuquerque; Fernandes, Ricardo Yamin. Controle de convencionalidade e direitos fundamentais. Revista de Processo, v. 268, p. 569-584, jun. 2017.

_____ e VAUGHN, Gustavo. Notas críticas sobre a reclamação e os provimentos judiciais vinculantes do CPC. Revista de Processo, v. 287, p. 409-441, São Paulo: Ed. RT, jan. 2019.

Abboud, Marcella. Mistério e Alteridade: Reflexões sobre o sagrado na obra de Borges. Dissertação de mestrado. Campinas, Universidade Estadual de Campinas, 2013.

_____. A biblioteca de Babel como espaço do sagrado. Revista Estação Literária, v. 13, disponível em: [www.uel.br/revistas/uel/index.php/estacaoliteraria/article/view/27073].

Abraham, Henry J. The judicial process. 6. ed. New York: Oxford University Press, 1993.

Ackerman, Bruce. La nueva división de poderes. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica, 2011, n. II.

Administrative Office of the United States Courts, Judicial Conference Reports 1962-64 (1964). Disponível em: [www.uscourts.gov/sites/default/files/1964-03_0.pdf]. Acesso em: 20.06.2017.

Adorno, Theodor e HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Agamben, Giorgio. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

_____. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. São Paulo: Boitempo Editorial, 2008.

ALCALÁ-ZAMORA Y CASTILLO, Niceto. Cuestiones de terminologia procesal. Mexico: Unam, 1972.

Alexander, Gregory S. Comparing the Two Legal Realisms – American and Scandinavian. The American Journal of Comparative Law, v. 50, n. 1, 2002.

Alexander, Larry; Solum, Lawrence B. Popular? Constitutionalism? Harvard Law Review, n. 118, 2005.

Alexandre, Isabel. O caso julgado na jurisprudência constitucional portuguesa. Estudos em Homenagem ao Conselheiro José Manuel Cardoso da Costa. Coimbra: Coimbra Ed., 2003. v. 1.

Alexy, Robert. Constitucionalismo discursivo. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

_____. Direito constitucional e direito ordinário. Jurisdição constitucional e jurisdição especializada. Revista dos Tribunais, n. 809, 2003. São Paulo: Ed RT.

_____. Conceito e validade do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

_____. El concepto y la validad del derecho. 2. ed. Barcelona: Gedisa, 1997.

_____. La institucionalización de la justicia. Granada: Editorial Comares, 2005.

_____. Los derechos fundamentales en el Estado constitucional democrático. In: Carbonell, Miguel (org.). Neoconstitucionalismo (s). 2. ed. Madrid: Editorial Trotta, 2005.

_____. Teoria de la argumentación jurídica. Trad. Manuel Atienza e Isabel Espejo. Madrid: CEC, 1989.

_____. Teoría de los derechos fundamentales. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2002.

Alpa, Guido. La creatività della giurisprudenza, diritto e processo. Studi in memoria di Alessandro Giuliani. Napoli: Edizioni Scientifiche Italiane, 2001, t. I.

Alvim, Thereza. O cabimento de embargos ou impugnação ante a sentença contrária à Constituição (arts. 741, parágrafo único, e 475-L, do CPC): hipótese de flexibilização ou inexistência da coisa julgada? In: Os poderes do juiz e o controle das decisões judiciais: Estudos em homenagem à Professora Teresa Arruda Alvim Wambier. São Paulo: Ed. RT, 2008.

AMAR, Akhil Reed The Bill of Rights. 1. ed., Yale: Yale University Press, 2000.

_____.; ADAMS, Les. The Bill of Rights Primer: A citizen’s guidebook to the American Bill of Rights. Nova Iorque: Skyhorse Publishing, 2015, Kindle Edition.

AMARAL, Guilherme Rizzo. Arbitragem e precedentes. In: LEVY, Daniel e PEREIRA, Guilherme Setoguti J. Curso de arbitragem. São Paulo: Ed. RT, 2018.

_____. Judicial precedent and arbitration – Are arbitrators bound by judicial precedent? A comparative study of UK, US and Brazilian law and practice, Londres: Wildy, Simmonds & Hill, 2017.

_____. Vinculação dos árbitros aos precedentes judiciais. Consultor Jurídico. Disponível em: [www.conjur.com.br/2017-out-03/guilherme-amaral-vinculacao-arbitros-aos-precedentes-judiciais]. Acesso em: 10.11.2017.

Anabitarte, Alfredo Gallego. Prólogo, In: Seoane, Antonio Mozo. La discricionalidad de la Administracion Pública en España. Madrid: Montecorvo, 1985.

ANDRADE, Gustavo Fernandes de. Arbitragem e controle de constitucionalidade: algumas reflexões. In: CARMONA, Carlos Alberto; LEMES, Selma Ferreira e MARTINS, Pedro Batista (coords.). 20 anos da Lei de Arbitragem: homenagem a Petrônio R. Muniz, São Paulo: Atlas, 2017.

Andrés, Francisco J. Edward Coke. In: Domingo, Rafael (Org.). Juristas universales: juristas modernos. Madrid: Marcial Pons, 2004. v. 2.

Andrieux, François Guillaume Jean Stanilas. Le meunier de Sans-souci. Ouvres. Paris: Chez Nepveu, 1818. t. 3.

Angelone, Marco. Sentenze additive della Corte costituzionale e interpretazione adeguatrice. Interpretazione a fini applicativi e legittimità costituzionale a cura di Pasquale Femia. Napoli: Edizioni Scientifiche Italiane, 2006.

_____. Marco. Sentenze additive della Corte costituzionale e interpretazione adeguatrice. In: Femia, Pasquale (Org.). Interpretazione a fini applicativi e legittimità costituzionale. Napoli: Edizioni Scientifiche Italiane, 2006. n. 2.

Anzon, Adele. La motivazione delle decisioni della Corte Suprema statunitense (struttura e stile). La motivazione delle decisioni della corte costituzionale a cura di Antonio Ruggeri. Torino: G. Giappichelli Ed. 1993.

APRIGLIANO, Ricardo de Carvalho. Jurisdição e arbitragem no novo Código de Processo Civil. In: MELO, Leonardo de Campos e BENEDUZI, Renato Resende (coords.). A reforma da arbitragem, Rio de Janeiro: Forense, 2016.

Araújo, Luciano Vianna. Sentenças parciais? São Paulo: Saraiva, 2011.

Araújo de Oliveira, Manfredo. Reviravolta linguístico-pragmática na filosofia contemporânea. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2001.

Arbex, Fabrício Cobra. Breve análise sobre a busca e apreensão na Lei 8.884/1994: a interpretação conforme a Constituição Federal e o princípio da proibição da prova ilícita. Revista do IBRAC, São Paulo, v. 19, p. 45, jan.-jun. 2011.

Aristóteles. Física. Planeta de Agostini, Editorial Gredos, 1995.

Arnold, Richard S. Unpublished Opinions: A Comment. 1 J. App. Prac. & Process 219, 1999.

Arruda Alvim, Eduardo; Granado, Daniel Willian; e Thamay, Rennan Faria K. Processo constitucional. São Paulo: Ed. RT, 2014.

ARRUDA ALVIM, Teresa. Embargos de declaração, 3.ed. São Paulo: Ed. RT, 2017.

ARRUDA ALVIM, Teresa. Um olhar sobre modulação a partir da Lei 13.655/2018. In: Consultor Jurídico. Disponível em: [www.conjur.com.br/2018-mai-02/teresa-arruda-alvim-modulacao-olhar-partir-lei-13655].

Arruda Alvim, Teresa. Distinção entre questão de fato e questão de direito para fins de cabimento de recurso especial. Revista de Processo, São Paulo, v. 92, 1998.

_____. O conteúdo das decisões judiciais como fator determinante para sua classificação e para a indicação dos recursos cabíveis. Revista de Processo, v. 162, 2008.

_____. Interpretação da lei e de precedentes civil law e common law. Revista dos Tribunais, v. 893, 2010.

_____. Precedentes e evolução do direito. In: _____. (org.). Direito jurisprudencial. São Paulo: Ed. RT, 2012.

_____. Recurso especial, recurso extraordinário e ação rescisória. 2. ed. São Paulo: RT, 2008.

_____. et al. (Org.). Breves comentários ao novo Código de Processo Civil. 2. ed. São Paulo: Ed. RT, 2016.

Ascensão, José de Oliveira. O direito: introdução e teoria geral. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

Assis, Araken de. Eficácia da coisa julgada inconstitucional. Revista Dialética de Direito Processual, n. 4.

_____. Manual da execução. 11. ed. São Paulo: Ed. RT, 2007.

_____. Manual dos recursos cíveis. 2. ed. São Paulo: Ed. RT, 2008.

ASSIS, Machado de. Quincas Borba, 4. ed., São Paulo: Martin Claret, 2012.

Ataide Junior, Jaldemiro R. de. A inércia argumentativa no processo civil brasileiro. Tese de doutorado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.

_____. Negócios jurídicos materiais e processuais – existência, validade e eficácia – campo invariável e campos – dependentes: sobre os limites dos negócios jurídicos processuais. Revista de Processo, v. 244, São Paulo: Ed. RT, jun. 2015.

Atienza, Manuel. As razões do direito. São Paulo: Landy, 2002.

Auerbach, Erich. Mimesis. São Paulo: Perspectiva, 2009.

Austin, John L. How to do things with words. 2. ed. Cambridge: Harvard University Press, 1975.

Ávila, Ana Paula. A modulação de efeitos temporais pelo STF no controle de constitucionalidade. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

Ávila, Humberto. Repensando o ‘Princípio da Supremacia do Interesse Público sobre o Particular. Interesses Públicos versus Interesses Privados: desconstruindo o Princípio da Supremacia do Interesse Público. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.

Ayarragaray, Carlos A. Naturaleza del proceso arbitral. In: Velloso, Adolfo Alvarado (org.). Revista Jurídica Argentina La Ley. Derecho procesal civil y comercial. Buenos Aires: La Ley, 2010. t. IV.

AZEVEDO, Gustavo. Reclamação constitucional no direito processual civil. Rio de Janeiro: Forense, 2018.

Bachof, Otto. Jueces y constitución. Madrid: Editorial Civitas, 1959.

_____. Reflexwirkungen und subjective Rechte in öffentlichen Recht. Gedächtnisschrift für Werner Jellinek, München: Isar Verlag, 1955.

_____; Wolff, Hans J.; Strober, Rolf. Direito administrativo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2006. v. 1.

BAGEHOT, Walter. The English Constitution, 2. ed., Boston: Little Brown and Company, 1873.

Bahia, Alexandre Melo Franco; e Lareira, Aline Hadad. O precedente judicial em paralelo a súmula vinculante: pela (re) introdução da faticidade ao mundo jurídico. Revista de Processo, v. 234, 2014.

BALKIN, Jack M. Constitutional Rot. In: SUNSTEIN, Cass R. (org.). Can it happen here? Authoritarianism in America, New York: Harper Collins, 2018.

Bandeira de Mello, Celso Antônio. Curso de direito administrativo. 26. ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

_____. Discricionariedade administrativa e controle jurisdicional. 2. ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

Banowski, Zenon. Precedent in the United Kingdom. In: Maccormick, Neil; Summers, Robert S. e Goodhart, Arthur L. (Org.). Interpreting precedents. England: Ashgate, 1997.

Barbisan, Benedetta. Nascita di un mito: Washington, 24 febbraio 1803: Marbury v. Madison e le origini della giustizia costituzionale negli Stati Uniti. Bologna: Il Mulino, 2008.

BARBOSA, Rafael Vinheiro Monteiro. Sistematização das decisões interlocutórias e os regimes de recorribilidade. Tese de Doutorado em Direito, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2016.

Barbosa Moreira, José Carlos. Ainda e sempre a coisa julgada. Direito processual civil (ensaios e pareceres). Rio de Janeiro: Borsoi, 1971.

_____. Comentários ao Código de Processo Civil. 16. ed. Rio de Janeiro: Forense. v. V.

_____. Os limites objetivos da coisa julgada no sistema do novo Código de Processo Civil. Temas de direito processual. 1.ª série. São Paulo: Saraiva, 1984.

_____. Mandado de injunção. Revista de Processo, v. 14, n. 56, p. 110-121, out./dez, 1989.

_____. A motivação das decisões judiciais como garantia inerente ao Estado de Direito. Temas de direito processual civil. 2.ª série. São Paulo: Saraiva, 1980.

Barcellos, Ana Paula de; Barroso, Luis Roberto. O começo da História: a Nova Interpretação Constitucional e o papel dos Princípios no Direito Brasileiro. In: Silva, Virgílio Afonso da (Org.). Interpretação constitucional. São Paulo: Malheiros, 2005.

_____; _____. O começo da História: a Nova Interpretação Constitucional e o papel dos Princípios no Direito Brasileiro. In: Silva, Virgílio Afonso da (Org.). Interpretação constitucional. São Paulo: Malheiros, 2007.

Barioni, Rodrigo. As unpublished opinions do direito norte-americano: contribuição para a assunção de competência. Revista de Processo, v. 261, n. 3, nov. 2016.

Barnett, Randy. Restoring the lost Constitution. The presumption of Libery. New Jersey: Princeton University Press, 2005.

Barreto, Vicente; Oliveira, Rafael; e Streck, Lenio. Ulisses e o canto das sereias: sobre ativismos judiciais e os perigos da instauração de um “terceiro turno da constituinte”. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito, v. 1, n. 2, p. 75-83. jul.-dez/. 2009.

Barreto, Martônio Mont’Alverne; Oliveira, Marcelo Andrade Cattonie; e Streck, Lenio. A nova compreensão do STF sobre controle difuso de constitucionalidade: mutação constitucional e limites da legitimidade da jurisdição constitucional. Revista da Faculdade Mineira de Direito, Belo Horizonte, v. 10, 2007.

Barrocas, Manuel Pereira. Manual de Arbitragem. Almedina: Coimbra Ed., 2010.

Barroso, Luis Roberto. O controle de constitucionalidade no direito brasileiro. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

_____. O controle de constitucionalidade no direito brasileiro. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

_____. Controle de constitucionalidade no direito brasileiro. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

_____. Interpretação e aplicação da constituição. São Paulo: Saraiva, 1996.

Bailly, Anatole; e Bréal, Michel. Dictionnaire étymologique latin. 7. ed. Paris: Hachette, 1911.

Bandow, Doug. The public opposes judicial activism because it does not understand the issue. Noah Berlatsky. Judicial activism: opposing viewpoints. Estados Unidos: Greenhaven Press, 2012.

BATEUP, Christine. The Dialogic Promise: Assessing the Normative Potential of Theories of Constitutional Dialogue, 71, Brook. L. Rev. (2006).

Beaud, Olivier. Kelsen contre Schmitt: un dialogue de sourds. In: Beaud, Olivier; Pasquino, Pasquale. La controverse sur ‘le guardien de la Constitution’ et la justice constitutionelle. Kelsen contre Schmitt. Paris: Editions Panthéon-Assas, 2007.

Bedaque, José Roberto dos Santos. Efetividade do processo e técnica processual. São Paulo: Malheiros, 2006.

_____. Instrumentalismo e garantismo: visões opostas do fenômeno processual? Garantismo processual. Garantias constitucionais aplicadas ao processo. Brasília: Gazeta Jurídica, 2016.

BELLOCCHI, Márcio. Precedentes vinculantes e a aplicação do direito brasileiro na convenção de arbitragem. São Paulo: RT, 2017.

Benayas, Carlos de la Vega. Introducción al derecho judicial. Madrid: Editorial Montecorvo, 1970.

BENTHAM, Jeremy. An Introduction to the Principles of Morals and Legislation. Kitchener: Batoche Books, 2000 [1781].

_____. The Psychology of Economic Man. Jeremy Bentham’s economic writings: critical edition based on his printed works and unprinted manuscripts, vol. III, W. Stark, New York: Routledge, 2005,

Berlatsky, Noah. Judicial activism: opposing viewpoints. Estados Unidos: Greenhaven Press, 2012.

Berman, Harold J. Law and Revolution. The Formation of the Western Legal Tradition. Cambridge e Londres: Harvard University Press, 1983.

_____. Law and revolution II: the impact of the protestant reformations on the western legal tradition, London: Harvard University Press, 2003.

_____. Faith and Order: The reconciliation of Law and Religion, Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing Co., 2000.

_____; Saliba; Samir N. The natures and functions of Law. New York: Foundation Press.

BERMEO, Nancy. On democratic backsliding. Journal of Democracy, v. 27, 2016, p. 5-19. Disponível em: [ https://sites.unimi.it/carbone/wp-content/uploads/2018/04/Democratic-backsliding-Bermeo-JOD-2016.pdf ].

Bernardes, Juliano Taveira. Efeito vinculante das decisões do controle abstrato de constitucionalidade: transcendência aos motivos determinantes? In: Novelino, Marcelo (Org.). Leituras complementares de direito constitucional. 2. ed. Salvador: JusPodivm, 2008.

Betti, Emílio. Interpretação da lei e dos atos jurídicos. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

Beys, Kostas E. Prozessuales Denden aus Attika. Atenas: Eunomia Verlag, 2000.

Bianchi, Alberto B. e Legarre, Santiago. El ‘certiorari’ en acción (hacia un control de constitucionalidad basado en la transcendencia). In: LINARES Quintana, Segundo V.; Fayt, Carlos S. e BADENI, Gregorio (Orgs.). Revista Jurídica Argentina La Ley. Derecho constitucional. Doctrinas esenciales. Buenos Aires: La Ley, 2008. t. IV.

Bidart, Adolfo Gelsi. Bases positivas para la noción de cosa juzgada. Estudios jurídicos en memoria de Eduardo J. Couture. Montevidéu: Facultad de Derecho, 1957.

Binenbojm, Gustavo. Temas de direito administrativo e constitucional. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

Biondi, Biondo. Appunti intorno alla sentenza nel processo civile romano. Studi in onore di Pietro Bonfante IV. Milano: Treves, 1930.

Bisnetto, Lauro Simões de Castro. O precedente no common law e os provimentos vinculantes brasileiros: distinções entre o que se mostra e o que parece ser. Dissertação de Mestrado. São Paulo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2016.

Bix, Brian. Patrolling the Boundaries: inclusive legal positivism and the nature of jurisprudential debate. Canadian Journal of Law and Jurisprudence, v. XII, n. 1. jan. 1999.

BLACKSTONE, William. Discourse on the Study of Law: being an introductory lecture read in the public schools in October 25, 1758, Oxford, 1758.

Blanco de Morais, Carlos. Direito constitucional e teoria da Constituição. 4. ed. Coimbra: Almedina, 2000. Tít. 6, Cap. 4, n. C.I.

_____. Entrevista. Disponível em: [www.conjur.com.br/2017-abr-02/entrevista-carlos-blanco-morais-professor-universidade-lisboa]. Acesso em: 06.10.2017.

_____. Fiscalização da constitucionalidade e garantia dos direitos fundamentais: apontamento sobre os passos de uma evolução subjectivista. Estudos em homenagem ao Professor Doutor Inocêncio Galvão Telles. Coimbra: Almedina, 2003. v. 5.

_____. Justiça constitucional. Coimbra: Coimbra Ed. 2005. t. II.

_____. _____. 2. ed. Coimbra: Coimbra Ed. 2006. t. I.

_____. As sentenças com efeitos aditivos. In: Blanco de Morais, Carlos (Org.). As sentenças intermédias da justiça constitucional. Lisboa: AAFDL, 2009.

Blasco Soto, Maria del Carmen. La sentencia en la cuestión de inconstitucionalidad. Barcelona: Jose Maria Bosch Editor, 1995.

Blumenberg, Hans. Descripción del ser humano. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2011.

_____. Fuentes, corrientes, icebergs. Buenos Aires: Ciudad Autónoma de Buenos Aires, 2016.

_____ e WEINRICH, Harald. In: Revista de Estudos Linguísticos, v. 16, n. 2, julho-dezembro, 2008. p. 39-54.

Bobbio, Norberto. O futuro da democracia. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

_____. Direito e Estado no pensamento de Immanuel Kant. Trad. Alfredo Fait. 2. ed. São Paulo: Mandarim, 2000.

_____. O tempo da memória. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

_____. Teoria geral do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Böckenförde, Ernst-Wolfgang. Grundrechte als Grudsatznorm. Zur gegenwärtigen Lage der Grudrechtsdogmatik. Der Staat, v. 29, 1990.

Bonavides, Paulo. Jurisdição constitucional e legitimidade . Estudos Avançados. v. 18, n. 51, 2004.

_____. Do país constitucional ao país neocolonial: a derrubada da Constituição e a recolonização pelo golpe de Estado institucional. 3. ed. São Paulo: Malheiros, 2004.

BONIZZI, Marcelo José M. e FERREIRA, Olavo A. V. Alves. Declaração de inconstitucionalidade pelo árbitro: vedação ou dever. In: MUNIZ, Joaquim de Paiva; BONIZZI, Marcelo José M. e FERREIRA, Olavo A. V. Alves (coords.). Arbitragem e Administração Pública: temas polêmicos. Ribeirão Preto: Migalhas, 2018.

Bonorino, Pablo Raúl. Dworkin, Lima: Area Editores, 2010.

BOORSTIN, Daniel J. The Mysterious Science of the Law: an essay on Blackstone’s commentaries, 1. ed., Chicago: University of Chicago Press, 1996.

Borges, Jorge Luiz. La flor de Coleridge. In: Obras completas, Buenos Aires, Emecé, 2009. v. II.

_____. Obras completas. Buenos Aires, Emecé, 2009. v. II.

_____. Obras completas I. Buenos Aires: Emecé, 2010.

_____. Tlön, Uqbar, Orbius Tertius. In: Ficciones. 4. ed. Buenos Aires: Emecé Editores, 1965.

Botelho de Mesquita, José Ignácio. O desmantelamento do sistema brasileiro de controle de constitucionalidade. Revista do Advogado, n. 67, 2002.

Branco, Ricardo. O efeito aditivo da declaração de inconstitucionalidade com força obrigatória geral. Coimbra: Coimbra Ed., 2009.

BRENNA, Jason. Against democracy, Princeton: Princeton University Press, 2017.

Brito, Mário de. Ainda sobre as decisões interpretativas do Tribunal Constitucional. In: Moura Ramos, Rui Manuel et al. (Orgs.). Estudos em homenagem à professora Doutora Isabel de Magalhães Collaço. Coimbra: Almedina, 2002.

Brito, Miguel Nogueira. Sobre a distinção entre direito público e direito privado. Estudos em Homenagem ao Prof. Doutor Sérvulo Correia. Lisboa: Faculdade da Universidade de Lisboa, 2010. v. I.

BRITTO, Carlos Ayres. In: CANOTILHO, José Joaquim Gomes; MENDES, Gilmar Ferreira; SARLET, Ingo Wolfgang e STRECK, Lênio (Coords.). Comentários à Constituição do Brasil, 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

Bruna, Sérgio Varella. Agências reguladoras: poder normativo, consulta pública e revisão judicial. São Paulo: Ed. RT, 2003.

Bueno, Cassio Scarpinella. Amicus curiae no processo civil brasileiro: um terceiro enigmático. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

_____. Curso sistematizado de direito processual civil. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2012. v. 1.

BURKE, Edmund. Works, v. 3., London, 1852.

Buzaid, Alfredo. Da ação direta de declaração de inconstitucionalidade no direito brasileiro. São Paulo: Saraiva, 1958, n. III.

_____. Da arguição de relevância da questão federal. Estudios en homenaje al Doctor Héctor Fix-Zamudio en sus treinta años como investigador de las ciencias jurídicas. México: Universidad Autónoma de Mexico, 1988. t. I.

_____. Do juízo arbitral. Revista dos Tribunais, n. 271. São Paulo: Ed. RT, 1958.

Caballero, José Severo. Jurisdicción y equidad en la Constitución Norteamericana y en el sistema jurídico argentino. In: LINARES Quintana, Segundo V.; Fayt, Carlos e Badeni, Gregorio (Org.). Derecho constitucional – Doctrinas esenciales. Buenos Aires: La Ley, 2008. t. I.

Cabral, Antonio do Passo. Convenções processuais. Salvador: JusPodivm, 2016.

Cabral de Moncada, Luis. Lições de direito civil: parte geral. 4. ed. Coimbra: Almedina, 1995.

Callejón, María Luisa Balaguer. Interpretación de la Constitución y ordenamiento jurídico. Madrid: Tecnos, 1997.

Calmon de Passos, J. J. A crise do judiciário e as reformas instrumentais: avanços e retrocessos. Revista Síntese de Direito Civil e Processual Civil. a. III, n. 15, 2002.

_____. Instrumentalidade do processo e devido processo legal. Revista Síntese de Direito Civil e Processual Civil. a. II, n. 7, 2000.

Calsamiglia, Albert. El concepto de integridad en Dworkin. Doxa – Cuadernos de Filosofia del Derecho, Alicante, n. 12, 1992.

Câmara, Alexandre Antonio Franco Freitas. Por um modelo deliberativo de formação e aplicação de padrões decisórios vinculantes: análise da formação e aplicação dos padrões decisórios vinculantes a partir do conceito de contraditório como princípio da não surpresa e da exigência de deliberação qualificada pelos tribunais. Tese de doutorado. Belo Horizonte, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2017.

_____. Súmula da jurisprudência dominante, superação e modulação de efeitos no novo Código de Processo Civil. Revista de Processo, v. 264, fev. 2017.

Camazano, Joaquín Brage. Estudio introductorio. In: Häberle, Peter. Estudios sobre la jurisdicción constitucional. México: Editorial Porrúa, 2005.

_____. Estudio introductorio: el Tribunal Constitucional en Alemania, con particular referencia al pensamiente de Peter Häberle y Konrad Hesse. In: HÄBERLE, Peter. Estudios sobre la jurisdicción constitucional.

Cambi, Eduardo. Notas sobre questões recursais envolvendo a aplicação do art. 285-A do CPC. In: Nery Junior, Nelson; Arruda Alvim Wambier, Teresa Arruda (Org.). Aspectos polêmicos e atuais dos recursos cíveis. São Paulo: RT, 2007. v. 11.

Campos, Francisco. Direito civil. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1956.

CAMPOS, Ricardo. Prefácio à edição brasileira. In: STOLLEIS, Michael. O direito público na Alemanha: Uma introdução a sua História do Século XVI ao XXI, São Paulo: Saraiva, 2018.

_____. A transformação da jurisdição constitucional e o perigo do consequencialismo. Consultor Jurídico. Disponível em: [ https://www.conjur.com.br/2020-fev-11/ricardo-campos-jurisdicao-constitucional-perigo-consequencialismo ].

CAMUS, Albert. O estrangeiro, 46. ed., Rio de Janeiro: Record, 2019.

Canaris, Claus-Wilhelm. Direitos fundamentais e direitos privados. Coimbra: Almedina, 2009.

Canas, Vitalino. Introdução às decisões de provimento do Tribunal Constitucional. Lisboa: Cognitio, 1984.

_____. O Tribunal Constitucional: órgão de garantia da segurança jurídica. In: Miranda, Jorge (coord.). Estudos em homenagem ao prof. Dr. Armando M. Marques Guedes. Coimbra: Coimbra Ed. 2004.

_____. Os processos de fiscalização da constitucionalidade e da legalidade pelo Tribunal Constitucional. Coimbra: Coimbra Ed. 1986.

Canotilho, J. J. Gomes. Direito constitucional e teoria da Constituição. 4. ed. Coimbra: Almedina, 2000.

_____. Entrevista. Disponível em: [ http://www.valor.com.br/arquivo/791745/stf-tem-ativismo-sem-paralelo-diz-jurista ]. Acesso em: [11.06.2015].

_____. O Estado adjectivado e teoria da Constituição. Revista da Academia Brasileira de Direito Constitucional. Curitiba, n. 3, 2003.

_____. Omissões normativas e deveres de proteção. Estudos em homenagem a Cunha Rodrigues. Coimbra: Coimbra Ed. 2001. v. II.

_____. O Supremo do Brasil é o mais poderoso do mundo. Disponível em: [www.valor.com.br/política/3353336/o-supremo-do-brasileo-mais-poderoso-do-mundo]. Acesso em: 11.06.2015.

_____. Tomemos a sério o silêncio dos poderes públicos – o direito à emanação de normas jurídicas e a proteção judicial contra as omissões normativas. In: Teixeira, Sálvio de Figueiredo (org.). As garantias do cidadão na justiça. São Paulo: Saraiva, 1993.

_____; Brandão, Nuno. Colaboração premiada e auxílio judiciário em matéria penal: a ordem pública como obstáculo à cooperação com a operação lava jato. Revista de Legislação e de Jurisprudência, ano 146, n. 4000, 2016.

_____; MENDES, Gilmar Ferreira; SARLET, Ingo Wolfgang e STRECK, Lênio (Coords.). Comentários à Constituição do Brasil, 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

_____; Moreira, Vital. Constituição da República Portuguesa anotada. 4. ed. Coimbra: Coimbra Ed., 2010. v. II.

CAPPELLETTI Mauro. O controle judicial de constitucionalidade das leis no direito comparado, 2. ed. Trad. Aroldo Plínio Gonçalves, Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1999.

_____. The significance of judicial review of legislation in the contemporary world. In: Ius privatum gentium: Festschrift für Max Rheinstein zum 70. Geburtstag am 05.07.1969, Band I – Rechtsmethodik und internationales recht, Tübingen: J. C. B. Mohr, 1969.

Carbonell, Miguel. El neoconstitucionalismo: significado y niveles de análisis. In: Carbonell, Miguel e Jaramillo, Leonardo García (Org.). El canon neoconstitucional. Madrid: Trotta, 2010.

Cardoso da Costa, José Manuel. A Justiça Constitucional no quadro das funções do Estado vista à luz das espécies, conteúdo e efeitos das decisões sobre e constitucionalidade das normas jurídicas. Justiça Constitucional e espécies, conteúdo e efeitos das decisões sobre a constitucionalidade de normas. Lisboa,...

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
20 de Janeiro de 2022
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1188257239/bibliografia-processo-constitucional-brasileiro-ed-2020