Responsabilidade Civil dos Hospitais - Ed. 2019

Primeiras Reflexões Sobre a Relação Médico-Paciente

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Primeiras reflexões sobre a relação médico-paciente

Tem-se verificado, notadamente nas três últimas décadas, grande mudança no relacionamento médico-paciente.

Antes, a figura do médico era envolvida por uma aura de divindade – o ser humano ungido com o dom da cura. Lembrou um rabino, em entrevista recente, que, para o judaísmo, o médico é tido como um “sócio de Deus”. Nossa realidade, entretanto, é substancialmente diversa – e marcha para a total desmistificação dos discípulos de Hipócrates. O médico, hoje, sequer tem tempo de conhecer o paciente pelo nome. Os sofisticados aparelhos representam uma barreira ao contato pessoal e direto. Reina um clima de desconfiança recíproca – tantas vezes convolada em hostilidade. 1

No entanto é necessário – como afirmam Ripert e Boulanger – deixar certa margem de decisão e liberdade de ação aos médicos. A dificuldade principal reside em se saber até que ponto o médico deve conservar sua independência. Para se julgar o médico, há de se levar em conta o que ele, razoavelmente, podia saber e fazer. 2

As pessoas recorriam ao médico para solucionar seus problemas e angústias (a palavra paciente provém do latim patior, aquele que sofre, não o que é passivo) – e buscavam profissional de sua confiança.

E o médico ouvia o enfermo. Auscultava-o. Dialogava. Compreendia-o.

Scliar traduz, de modo singular, essa necessidade de mútua compreensão:

A história da medicina é uma história de vozes. As vozes misteriosas do corpo: o sopro, o sibilo, o borborigmo, a crepitação, o estridor. As vozes inarticuladas do paciente: o gemido, o grito, o estertor. As vozes articuladas do paciente: a queixa, o relato da doença, as perguntas inquietas. A voz articulada do médico: a anamnese, o diagnóstico, o prognóstico. Vozes que falam da doença, vozes calmas, vozes ansiosas, vozes curiosas, vozes sábias, vozes resignadas, vozes revoltadas. Vozes que se querem perpetuar: palavras escritas em argila, em pergaminho, em papel; no prontuário, na revista, no livro, na tela do computador. Vozerio, corrente ininterrupta de vozes que flui desde tempos imemoriais, e que continuará fluindo (...). 3

Pedro Nava, que também foi médico, conta sua estreia no manejo do fórceps, em parto deveras complicado, realizado em uma fazenda. O relato presta-se a demonstrar a expectativa ao derredor da atuação do profissional da medicina – quão felizes se tornam as pessoas, quando a intervenção é bem-sucedida:

No terreiro da casa, iluminado pela luz crua de um lampião de carbureto, aglomeravam-se uns dez homens. O Egon notou que todos estavam armados de faca ou de revólver. Todos silenciaram à sua passagem para o quarto da parturiente. Sentou-se e...

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
2 de Dezembro de 2021
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1196959124/primeiras-reflexoes-sobre-a-relacao-medico-paciente-responsabilidade-civil-dos-hospitais-ed-2019