Recuperação de Crédito - Ed. 2020

Parte 8. Medidas Atípicas Visando à Efetivação da Obrigação Pecuniária (Art. 139, IV) E Outras Técnicas Tipificadas Como Forma Coercitiva de Cumprimento da Obrigação de Pagar

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

O art. 139, IV, do CPC prevê a possibilidade de utilização, em meio à execução para pagamento de quantia, das chamadas medidas atípicas (ou seja, não previstas em lei) de sub-rogação ou de coerção, visando o cumprimento da obrigação pecuniária.

O enunciado 48 da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam) esclarece que:

“(...) o art. 139, IV, do CPC/2015 traduz um poder geral de efetivação, permitindo a aplicação de medidas atípicas para garantir o cumprimento de qualquer ordem judicial, inclusive no âmbito do cumprimento de sentença e no processo de execução baseado em títulos extrajudiciais”.

Por sua vez, o enunciado 12 do Fórum Permanente de Processualistas Civis (FPPC), dispõe que:

“a aplicação das medidas atípicas sub-rogatórias e coercitivas é cabível em qualquer obrigação no cumprimento de sentença ou execução de título executivo extrajudicial. Essas medidas, contudo, serão aplicadas de forma subsidiária às medidas tipificadas, com observação do contraditório, ainda que diferido, e por meio de decisão à luz do art. 489, § 1º, I e II”.

Para explicarmos nosso posicionamento acerca das chamadas medidas atípicas para efetivação da execução para pagamento de quantia, tomamos a liberdade de transcrever dois pequenos trechos da obra de Marcelo Lima Guerra, 1 que elucidam bem a necessidade de, além das regras típicas da execução forçada, também existirem outras não previstas expressamente em lei:

“É o que pode ocorrer, por exemplo, quando o devedor apresenta sinais de riqueza aparente, mas não possui, ou não se consegue localizar bens expropriáveis. Pense-se, por exemplo, numa situação em que o devedor é filho de um notório milionário, mas que se revelaram frustradas todas as tentativas de localizar algum bem do próprio devedor sujeito à expropriação forçada. Pense-se, ainda, na hipótese de alguém que utiliza “laranjas” para conduzir seus negócios e, quando executado, apresenta-se como não possuindo bem algum. Tais situações se deixam caracterizar, eventualmente, mais como insuficiências do sistema de tutela executiva, do que como um limite natural do mesmo sistema, porque a tutela executiva ainda é materialmente possível de ser realizada, mas não através do meio disciplinado na lei. (...) É nesse quadro, na perspectiva das apontadas insuficiências da sistemática legal da execução por quantia certa, que cresce em importância e se revela de extrema oportunidade invocar o direito fundamental à tutela executiva, no desenvolvimento de soluções equilibradas. Com efeito, é esse direito fundamental à tutela executiva que fornece o mais sólido apoio à busca de proteção integral e efetiva dos direito ao pagamento de soma em dinheiro, seja para justificar a adoção de medidas executivas diversas da expropriação forçada, nomeadamente, medidas coercitivas, seja para incrementar a eficácia da própria expropriação forçada, ora através de medidas judiciais não previstas na lei, ora através de uma interpretação conforme a constituição das normas que disciplinam este meio executivo, superando as limitações a ele impostas pelas mesmas normas. É que tal direito fundamental, como já explicitado, em traduzindo a exigência de um sistema concretamente completo de tutela executiva, no qual existam meios executivos eficazes e adequados a proporcionar plena e integral tutela executiva, tanto autoriza o juiz a adotar um meio diverso do que o previsto em lei, como também a potencializar um meio legalmente previsto, inclusive com medidas não expressamente inseridas nele e mesmo afastando as limitações legais que a própria lei imponha ao uso de tal meio”.

Ora, o texto não podia ser mais atual, mas foi publicado em 2003.

Um dos pontos defendidos por Marcelo Lima Guerra, com o qual concordamos, é a aplicação das chamadas multas diárias, ou, se preferirem astreintes, também a execução para pagamento de quantia. Não sabemos ao certo se seria ou não efetiva tal medida, mas é uma esperança para a satisfação da execução.

Além do Bacenjud como conhecemos, poderia ser solicitado pelo juiz, a requerimento do credor, o bloqueio das contas por tempo indeterminado ou, ainda, a quebra do sigilo bancário do devedor, para que se saiba quem são os pagadores e para quem o devedor costuma transferir valores.

Antes de continuarmos a tecer sugestões de medidas atípicas para a execução forçada, urge esclarecermos quais são os requisitos para que sejam utilizadas.

Primeiramente, necessário se faz o esgotamento de todas as medidas típicas previstas para a efetivação da execução, inclusive o Bacenjud, Renajud e o Infojud.

Em segundo lugar, não se deve aplicar nenhuma dessas medidas atípicas (salvo a sugestão de aplicação em tempo maior do que o já aplicado da regra do art. 854, ou seja, o bloqueio e a posterior penhora de dinheiro, estudado anteriormente, que necessita de surpresa) sem o devido contraditório – arts. e 10 do CPC – para que antes de ser aplicada, seja viabilizado ao executado o direito de demonstrar boa-fé e ainda tentar argumentar que existe outra medida menos invasiva, fazendo valer o princípio da menor gravosidade da execução.

Imaginemos, por exemplo, a situação de um posto de gasolina que é executado.

Já se tentou todas as medidas previstas em lei e nada foi possível. Inclusive o bacenjud e a penhora de recebíveis de cartão de crédito para o CNPJ do posto restaram infrutíferos. Poderia se tentar uma medida atípica de lacração, por ordem judicial, de 70% das bombas do posto, até que se efetivasse o pagamento da dívida, uma vez que o posto está operando normalmente e não é encontrado nenhum bem para ser penhorado. Antes de ordenar a lacração o juiz intima o executado para manifestar-se sobre o requerimento do credor, no prazo a ser fixado por ele conforme o caso, sob pena de ser deferida a ordem. Provavelmente, para não ver seus ganhos sensivelmente diminuídos, o devedor tentaria honrar com a dívida, inclusive podendo requerer uma audiência para tentativa de conciliação com o credor. 2

Não reputamos necessária a relação entre a origem da dívida e a medida atípica a ser utilizada.

Comumente vemos a solicitação por parte do credor de três medidas atípicas de forma simultânea, visando compelir o devedor a pagar a dívida em execução, são elas: bloqueio de CNH, com a entrega ao juízo do documento; bloqueio dos cartões de crédito atrelados ao CPF ou CNPJ do devedor; e, por fim, a entrega de passaporte do devedor para obstar que ele viaje para o exterior.

As decisões são as mais variadas possíveis, em todos os sentidos, 3 mas como defendemos acima, além dos direitos fundamentais do devedor, existe o direito fundamental do credor em ver solucionada e efetivada a tutela jurisdicional executiva, num razoável tempo.

A questão é: saber, se realmente a medida a ser aplicada no caso concreto tem ou não o condão de compelir o executado a satisfazer a execução?

Realmente, se o executado deve uma quantia significativa há cinco ou dez anos e o exequente já tentou recebê-la por todos os meios expressamente previstos em lei, não deve ser autorizado ao devedor viajar para o exterior ou possuir cartões de crédito, já que ele não deveria ter crédito em virtude da dívida não quitada.

Se o devedor não faz uso de sua carteira nacional de habilitação para fins profissionais, ou seja, trabalha como motorista particular, taxista ou para algum aplicativo para sustentar-se, não vemos motivo algum para não ser impedido de dirigir enquanto não honrar a dívida, já que não possui um carro para ser penhorado.

Além dessas, podemos pensar em outras medidas atípicas.

Por exemplo, imaginem uma empresa que não possui capital suficiente para honrar com a execução, mas que continua operando. Tenta-se o Bacenjud e bloqueia-se apenas 10% do valor devido. O juiz converte em penhora, mas não é suficiente.

Pode o credor requerer novo Bacenjud? Entendemos que sim.

Por exemplo, por 30 dias consecutivos, visando que em algum momento caia dinheiro na conta da pessoa jurídica.

Agora, imagine que nem assim o credor logra êxito.

Pode o credor requerer que seja oficiada a prefeitura da cidade onde está a sede da empresa e também das filiais (se eventualmente existirem) no intuito de descobrir se a devedora tem emitido notas fiscais de compra e venda ou de prestação de serviços, para se detectar quem são os clientes da empresa devedora? Também entendemos que sim.

Mas há algum leitor que poderá perguntar: mas com qual finalidade? E a resposta é simples, saber quem são os compradores ou os clientes da devedora, para que o juiz determine que em todas as transações futuras com a executada, seja depositada em juízo uma porcentagem do preço, com a finalidade de quitar a dívida. A ideia é semelhante à penhora de faturamento, mas como é factível ao executado esconder recebíveis para frustrar o credor que pretender parte do faturamento líquido, agindo dessa forma, a chance de obter a satisfação aumenta consideravelmente.

Outro exemplo interessante, se o credor tem notícia de que o executado participa da criação de cavalos de raça, seja para corridas no jóquei, ou para jogos de polo a cavalo, ou ainda para equitação, pode requerer que se oficie as hípicas da região, bem como o jóquei clube para que se tenha notícia da existência de cavalos em nome do devedor, sendo possível a constrição do animal ou animais.

Ora, mas a penhora do animal pode acarretar problemas sérios se o credor precisar se tornar o depositário, na intenção do devedor ficar impedido de ocultar o animal. Outra ideia é a de impedir que o cavalo participe de provas do jóquei ou, na eventualidade de ser cavalo de saltos, participe de concursos de equitação. Talvez tal medida seja suficiente para que o devedor fique constrangido a cumprir a obrigação.

O mesmo pode ocorrer com cães de raça que participam de competições nacionais e internacionais, determinando que se oficie o Kennel Club 4 da localidade, ou até de âmbito nacional, para que seja bloqueada a participação dos cães em nome do devedor, ou de sua empresa, nos eventos organizados pela entidade ou pelas outras associações a ela afiliadas.

Podemos também pensar em programas de milhagens em companhias aéreas, que valem prêmios ou viagens. Como tais pontos tem certo valor econômico, podem ser oficiadas as administradoras com o intuito de bloquear o acesso a tais pontos, bem como a transferência para o cadastro do credor, estipulando a empresa responsável pelo programa qual seria o valor pecuniário correspondente a tais pontos, abatendo-se do montante devido, convertendo-se em penhora, por exemplo.

Outra alternativa que a nosso ver pode surtir efeitos positivos na incessante procura de bens passíveis de penhora ou mesmo como forma de constranger o devedor a saldar seus compromissos não honrados está no mercado de ações como um todo. Quando nos referimos ao mercado de ações, por óbvio estamos falando das ações e demais títulos emitidos por companhias ou sociedades anônimas de capital aberto, admitidos à negociação na Bolsa de Valores de São Paulo – única bolsa hoje existente no Brasil, tendo em vista que a do Rio de Janeiro deixou de existir há alguns anos.

Como é cediço, desde o Governo Collor, as ações e demais títulos somente podem ser nominativos, eis que os ao portador passaram a ser proibidos, como forma de não ocultação dos seus reais proprietários. As ações, por sua vez, hoje são quase que totalmente escriturais cuja movimentação após as negociações em bolsa é feita pelos agentes emissores, que nada mais são do que departamentos próprios de bancos privados e públicos que se dedicam, mediante remuneração das companhias, a gerir, administrar e ,principalmente, registrar, escrituralmente, os cadastros dos acionistas de determinada companhia aberta com títulos e ações negociadas em bolsa ou mercado de balcão.

O investidor no mercado de capitais, por sua vez, somente poderá atuar depois de cadastrado nas sociedades corretoras de valores que atuam como intermediárias entre a companhia emitente dos títulos e valores mobiliários e a bolsa de valores.

Assim, o advogado mais astuto poderá requerer ao juiz de determinada execução que oficie as corretoras de valores e aos agentes emissores de ações escriturais, debêntures etc. para que informem se o devedor, com seu CPF, tem ações ou outros valores mobiliários negociados na BOVESPA e, em caso positivo, penhorá-las.

Conforme já decidiu o Superior Tribunal de Justiça, “tanto a medida de...

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
2 de Dezembro de 2021
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1197026412/parte-8-medidas-atipicas-visando-a-efetivacao-da-obrigacao-pecuniaria-art-139-iv-e-outras-tecnicas-tipificadas-como-forma-coercitiva-de-cumprimento-da-obrigacao-de-pagar