Clássicos Jurídicos - Ed. 2018

Capítulo V - Do Direito de Vida e Morte - Livro II

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Pergunta-se: 1 como é que os particulares, que não têm o direito de dispor da própria vida, podem transmitir ao soberano esse mesmo direito que não possuem? Esta questão não parece difícil de resolver; apenas está mal colocada. Todo homem tem o direito de arriscar a própria vida para conservá-la. Alguma vez foi dito que aquele que se joga de uma janela para escapar de um incêndio seja culpável de suicídio? Imputou-se mesmo este crime a alguém que pereceu numa tempestade, se, ao embarcar, ignorava o perigo?

O tratado social tem por objetivo a conservação dos contratantes. Quem deseja o fim deseja também os meios e estes meios são inseparáveis de alguns riscos e mesmo de algumas perdas. Quem quiser conservar a vida a expensas de outros deve também dá-la a eles quando necessário. Ora, o cidadão não é mais o juiz do perigo ao qual a lei quer que ele se exponha e quando o Príncipe 2 lhe diz: É conveniente...

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
7 de Dezembro de 2021
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1197097490/capitulo-v-do-direito-de-vida-e-morte-livro-ii-classicos-juridicos-ed-2018