Estudos em Homenagem à Professora Thereza Alvim - Ed. 2020

Estudos em Homenagem à Professora Thereza Alvim - Ed. 2020

7. Legitimidade ou Ilegitimidade do Mandatário em Ação que Envolve Interesses Comuns com o Mandante

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Lígia Cristina de Araújo Bisogni

Desembargadora do Tribunal de Justiça de São Paulo e Professora Adjunta da Escola Paulista da Magistratura.

Introdução

Apenas a título de desenvolvimento de raciocínio há que se perquirir, num primeiro momento, os conceitos que envolvem a legitimidade causal, a legitimidade extraordinária, para alguns doutrinadores também reconhecida como substituição processual 1 , e o contrato de mandato previsto no Código Civil (artigo 653 e seguintes), tudo de maneira que, neste ensaio, se permita avaliar em que medida o mandatário, sob o fundamento da defesa de interesses comuns e regular exercício do mandato, tem legitimidade para ingressar em juízo e validar sua atuação, impondo a vontade do mandante, pessoa jurídica, cuja representatividade tem contornos específicos e deve atender aos pressupostos legais (artigo 75, inciso VIII, do Código de Processo Civil).

1.Legitimidade causal

Ponto de partida, e de forma bastante singela, a matéria exige a consulta aos comandos legais básicos e essenciais para compreensão do tema – artigo 17 do Código de Processo Civil que diz o seguinte: “Para postular em juízo é necessário ter interesse e legitimidade”.

No caso em exame, há que se reportar a representação das pessoas jurídicas, em juízo ativa e passivamente, que, nos termos do artigo 75 do Diploma em destaque, prevê expressamente que deverá ser feita “(...) por quem os respectivos atos constitutivos designarem ou, não havendo essa designação, por seus diretores”, cuja não observância desse comando poderá implicar na extinção da ação sem o conhecimento do mérito, conforme dispõe o artigo 485 do Diploma Processual Civil, inciso VI – pois a hipótese autoriza o julgador extinguir o feito diante da ausência de legitimidade ou de interesse processual.

Nessa senda, não se ignora que a todos é garantido o direito constitucional de provocar a atividade jurisdicional; porém, ninguém está autorizado a levar a juízo, de modo eficaz, toda e qualquer pretensão, relacionada a qualquer objeto litigioso. Impõe-se a existência de um vínculo entre os sujeitos da demanda e a situação jurídica afirmada, que lhes autorize a gerir o processo em …

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
11 de Agosto de 2022
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1199100049/7-legitimidade-ou-ilegitimidade-do-mandatario-em-acao-que-envolve-interesses-comuns-com-o-mandante-parte-i-estudos-em-homenagem-a-professora-thereza-alvim-ed-2020