Fashion Law - Ed. 2020

10. Desenvolvimento Sustentável na Moda: Como Chegar Lá? - Parte II - Responsabilidade Socioambiental na Indústria da Moda

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ananda Ramos dos Santos 1

1. Introdução

Para que uma empresa esteja em linha com a sustentabilidade, é necessária a exploração equilibrada de recursos naturais, levando em consideração os limites da satisfação das gerações atuais, e ao mesmo tempo visando a sua preservação tendo em vista o interesse dos que ainda estão por vir.

O desenvolvimento sustentável engloba o respeito ao meio ambiente, à saúde do trabalhador, e aos direitos humanos. Uma empresa responsável ecologicamente é aquela que busca pela diminuição do impacto ambiental de sua atividade produtiva, e investe em tecnologias e uso de matérias-primas recicladas para que não haja prejuízo ao meio ambiente durante a produção de seus produtos, assim como após o término de sua vida útil.

Empresas de moda em busca de uma solução sustentável devem ter os seguintes objetivos: seleção de fibras biodegradáveis ou sustentavelmente produzidas; desenvolvimento de tecnologias que diminuam os níveis de resíduos sólidos e de efluentes; utilização de embalagens biodegradáveis ou recicláveis; meios de transporte menos poluentes para a distribuição e entrega de seus produtos; e, por fim, conscientização de seus consumidores para que embalagens sejam recicladas e produtos não mais utilizados sejam doados ou utilizados de outra maneira. Os clientes e consumidores devem ser ensinados a como reciclar seus produtos para que, então, faça sentido o uso de embalagens recicláveis, reutilizáveis ou compostáveis.

Sustentabilidade também pode ser praticada quando as empresas possuem uma cadeia produtiva transparente, fazem uso de comércio justo, e impulsionam seus consumidores a um consumo consciente. É necessária uma comunicação aberta e transparente com os empregados, fornecedores, subcontratados e consumidores.

Visando transmitir aos consumidores e clientes uma imagem sustentável, empresas promovem propagandas sobre a responsabilidade ambiental de seus processos produtivos e produtos utilizando-se de afirmações vagas ou até inverídicas. Podemos chamar esse tipo de propaganda como “Greenwashing”, artifício comumente utilizado por empresas que promovem e prometem mais benefícios sustentáveis do que eles, de fato, entregam.

Apelos de sustentabilidade são abordados, inclusive, pelo Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (CONAR) através de seu Código. Não se trata de uma legislação, mas de disposições sobre boas condutas, e todas as empresas o respeitam ou, pelo menos, deveriam.

Segundo o CONAR, as empresas, quando em comunicação direta com seus clientes e consumidores, devem promover sua conduta ambientalmente responsável através de propagandas que visam a produção de resultados relevantes, perceptíveis e comprováveis, tanto para a empresa quanto para a causa socioambiental apoiada.

Propagandas sobre responsabilidade ambiental devem promover conteúdos embasados em atitudes palatáveis, que podem ser facilmente comprovadas pela empresa anunciante, veiculado de forma clara, com dados e fontes externas que comprovem e endossem as informações socioambientais comunicadas. O marketing, inclusive, deve veicular ações relevantes, informando ao consumidor os benefícios socioambientais que as ações da empresa provocam à sociedade e ao ambiente.

O Blockchain, método descentralizado de registros e dados compartilhados, se mostra como alternativa para empresas que buscam, de fato, demonstrar à sociedade, seus clientes e consumidores seus compromissos sustentáveis, comprovando suas ações de forma exata e mantendo a transparência de todas as transações que ocorrem em um determinado mercado ou nicho.

Quando uma nova informação é adicionada no Blockchain, automaticamente fica vinculada a informações anteriores, tornando-se parte da cadeia. Esta pode ser acessada por qualquer interessado, desde que exposta pelas empresas através de etiquetas rastreáveis, por exemplo.

A transparência trazida pelo Blockchain, além de possibilitar ao consumidor o acesso à história de seu produto, minimiza o Greenwashing, pois, em razão do acesso à todas as informações, as empresas não podem mais fingir que são sustentáveis quando, na verdade, não são.

Os consumidores estão a cada dia mais em busca de empresas sustentáveis que possuam uma produção de economia circular, as quais visam redefinir o crescimento, concentrando-se em benefícios positivos para toda a sociedade. Empresas de economia circular investem na utilização de fontes de energia renováveis e na construção de um capital econômico, natural e social.

Valores como economia sustentável, estilo de vida alternativo, mais ecológico e saudável são prezados por consumidores ambientalmente conscientes, aqueles motivados pelas necessidades universais e que priorizam produtos que provocam menos impactos no...

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
28 de Novembro de 2021
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1201075565/10-desenvolvimento-sustentavel-na-moda-como-chegar-la-parte-ii-responsabilidade-socioambiental-na-industria-da-moda-fashion-law-ed-2020