Temas Atuais de Proteção de Dados - Ed. 2020

Capítulo 3. Blockchain e Proteção de Dados

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Autores:

ANNE CHANG

Advogada especialista em fusões, aquisições e investimentos, formada pelo Largo São Francisco – USP, LLM (mestrado) pela Universidade da Califórnia – Berkeley e especialização pela LSE. É uma das sócias de HCO Law | eAdvisor, escritório especializado no atendimento de empresas com foco em tecnologia e nova economia. Em 2016, foi coautora do paper premiado pelo governo norte-americano no Blockchain Challenge e tem se dedicado, nos últimos anos, a operações envolvendo tecnologia.

CYNTHIA BARBOSA DE ALMEIDA

Advogada formada pela FGV Direito SP, com especializações em gestão de riscos pela FIA e compliance pela FGV. Head de Governança Corporativa da Wirecard Brazil S.A., responsável pelas áreas de compliance, controles internos, gerenciamento de riscos e ouvidoria.

1. Introdução

"Blockchain é uma revolução", dizem os especialistas. É a internet do valor surgindo para mudar a internet da informação, descrevem Alex e Don Tapscott 1 , dois dos autores mais conhecidos e mais influentes no tema. É um termo tão em voga que a mera inclusão da palavra “blockchain” em projetos já se mostrou suficiente para impactar o mercado de ações mesmo sem uso efetivo da tecnologia. Um bom exemplo é a valorização (artificial) das ações da Long Island Ice Tea Corp, que em 2018 2 mudou seu nome para Long Blockchain Corp e viu suas ações aumentarem em quase 300% (dependendo da fonte) antes de ser excluída da NASDAQ.

Mas o que é blockchain? Sob o ponto de vista técnico, o blockchain é, essencialmente (e de uma forma bastante simplista), uma estrutura de dados semelhante a um livro-razão (ledger) distribuído em que se registra operações por ordem cronológica de forma pública, (quase) imutável e digital. As tecnicalidades necessárias para nossa discussão serão mais detalhadas na próxima seção, mas não devem ser vistas como um impeditivo. Afinal, não é necessário entender o protocolo de comunicação TCP/IP para usar – ou discutir o uso jurídico geral – de e-mails.

Não é inesperado que novas tecnologias façam com que operadores de direito revisem regras e modelos. No entanto, antes de impor qualquer inovação legislativa ou teórica, é necessário refletir sobre a aplicabilidade dos conceitos jurídicos já existentes e entender, em âmbito acadêmico, quais os possíveis desdobramentos que essa nova tecnologia pode trazer à aplicação do direito.

Essa reflexão, no momento, é complexa tanto por falta de casos práticos quanto por ausência de clareza técnica. Como em qualquer tipo de revolução, talvez só seja possível entender e analisar os efeitos e impactos do blockchaina posteriori, ou seja, quando pudermos olhar para trás e comparar a situação pré-blockchain e pós-blockchain.

Afinal, quem conseguiria, no começo da Internet, prever seus desdobramentos operacionais e legais?

Diante da (justificada) simplificação no modelo, para nossa análise, diante do maior número de dados e estudos realizados, consideraremos a proteção de dados no blockchain original (ou 1.0, como alguns preferem chamar), que é o blockchain do Bitcoin 3 . Nosso objetivo é, nesse contexto tecnológico, discutir a aplicabilidade dos conceitos de “privacidade” e “proteção de dados” em uma situação em que, by design, as informações são protegidas apenas por um pseudoanonimato 4 controlado apenas pelo usuário.

2. Terminologia do Blockchain

Ainda não temos, até o momento, perspectiva ou dados suficientes para entender o fenômeno e muito menos definir "blockchain". O próprio termo, inclusive, não tem uma definição técnica ou jurídica clara, com muitos especialistas usando alternativas como “distributed ledger technology”, “consensus ledger” e “shared ledger technology5 .

A terminologia, embora inicialmente pareça desnecessária, é bastante relevante no debate. Do ponto de vista não jurídico, há diversas gerações de tecnologias derivadas de blockchain que, apesar de compartilharem a mesma arquitetura, têm diferenças bastante relevantes em seu funcionamento, o que faz com que qualquer análise técnica tenha que ser específica e detalhada para certa geração. Portanto, o uso genérico do termo, além de pouco técnico, dificulta a comunicação sobre o tema e facilita generalizações grosseiras.

Adicionalmente, o uso generalista do termo blockchain para definir uma tecnologia descrevendo um sistema – no caso, o blockchain de Bitcoin – é quase uma metonímia que estimula a confusão do conceito com um sistema específico. Essa generalização inicialmente inofensiva é relevante para que não se presuma, erroneamente, que certas peculiaridades tecnológicas inerentes ao...

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
27 de Novembro de 2021
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1207548511/capitulo-3-blockchain-e-protecao-de-dados-temas-atuais-de-protecao-de-dados-ed-2020