Direito Tributário - Ed. 2019

Capítulo 2 - Ingressos Públicos - Parte I - Sistema Tributário Nacional e Normas Gerais de Direito Tributário

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

2.1. Atividade Financeira do Estado

O Estado, instituição política que é, atuando em suas relações com outros Estados soberanos ou no âmbito das relações internas, só pode atuar a serviço da coletividade.

De fato, criação humana, o Estado deve servir à humanidade, que o faz quando pratica as mais variadas atividades, todas direcionadas ao atendimento das necessidades públicas.

A história do Estado moderno demonstra que algumas dessas necessidades são consideradas de relevância superior e constituem por isso mesmo objeto primário dos interesses estatais. Assim são, por exemplo, a saúde, a segurança, a atividade de dizer a justiça e o Direito (atividade jurisdicional) etc. Tais atividades, como lembra Kiyoshi Harada, são exercidas direta e exclusivamente pelo próprio Estado, sendo, portanto, indelegáveis, por força da indisponibilidade do interesse público. 1 São atividades típicas. De outra banda, atividades há que, por se constituírem em interesses secundários estatais, o Estado pode desenvolvê-las diretamente ou, o que é mais comum, praticá-las através de empresas estatais, como as concessionárias de serviços públicos (atividades não típicas). 2 No Brasil, por exemplo, a teor do que estabelece o art. 175 da CF/1988, “Incumbe ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, sempre através de licitação, a prestação de serviços públicos”.

Por outro prisma, as atividades estatais podem estar umbilicalmente ligadas à própria essência do Estado (atividades fins) ou se constituírem em atividades instrumentais (atividades meio), a serviço das atividades fins.

As necessidades públicas são as necessidades coletivas que a ordem jurídica incorpora ao seu âmbito de proteção e tutela e submetidas ao regime de direito público, informado pelo princípio da legalidade, diferentemente dos interesses privados, submetidos ao regime de direito privado e ao princípio da liberdade de contratar ou autonomia da vontade. 3

Em tempos modernos e como bem o diz Kiyoshi Harada, a atividade financeira do Estado está vinculada à satisfação de três necessidades públicas básicas, inseridas na ordem jurídica constitucional: a prestação de serviços públicos, o exercício do poder de polícia e a intervenção no domínio econômico. Acrescentamos mais uma: a realização de obras públicas:

A atividade financeira do Estado insere-se nos quadrantes das atividades instrumentais, pois se realiza quando o Estado obtém os recursos que serão gastos com a prestação de serviços públicos (saúde, educação, transporte, assistência social etc.) com a realização de obras públicas (rodovias, escolas, presídios etc.), com o atendimento, enfim, das necessidades públicas.

No entanto, o caráter instrumental da atividade financeira não a coloca no reino asséptico da neutralidade ideológica, haja vista que sua concepção, implementação, alocação dos recursos captados e controle de seu funcionamento estão calcados em uma ossatura jurídica evidentemente comprometida com certas pautas axiológicas.

De fato, são os valores incorporados pelo Estado quem determinam que pessoas ou grupos de pessoas de uma sociedade, e em que nível, financiam as atividades estatais; são os valores assumidos juridicamente pelo Estado quem determinam que pessoas ou grupos de pessoas de uma sociedade são beneficiárias das políticas públicas implementadas; São os valores quem determinam o tipo e a natureza dos controles de financiamento e dispêndio públicos.

A este respeito, tem se identificado vários tipos de modelos históricos: o Estado patrimonial, o Estado Fiscal, Estado Social e o Estado Social Democrático de Direito.

a) O Estado patrimonial: Informado pelo Absolutismo, consolida-se no século XVI e perdura até o século XVIII. Sua maior característica era a confusão do soberano com o Estado. Do ponto de vista do financiamento do Soberano e do Estado, predominou a obtenção de receitas decorrentes da exploração do patrimônio estatal ou do próprio soberano.

b) Estado Fiscal: Surge com o Liberalismo no século XIX e início do século XX. Porque sintonizado com a concepção de Estado mínimo, em que as razões estatais centravam em torno do exercício do poder de polícia, com a prestação de raros serviços públicos, posto que sua dimensão social não lhe era de sua afeição, sua atividade financeira era, por igual, mínima. Não produzindo riquezas, centra sua atividade financeira na obtenção de receitas oriundas dos particulares, via tributos.

c) Estado do Bem-Estar Social: A revolução industrial e suas contradições no âmbito da crescente proletarização, a estupenda concentração de capital nas mãos de poucos, a necessidade de rompimento com o liberalismo econômico, sobretudo depois da crise de 1929 e das duas Grandes Guerras, as crises cíclicas da economia, os movimentos sociais e as doutrinas socialistas, e sua preocupação com o bem-estar social, tudo isso rompe com as premissas contidas na fórmula adotada pelo liberalismo (laissez faire laissez passer le monde va de lui même) que começam a ruir sobre si mesmas. É assim que se formata um novo modelo de Estado, que adota nova postura paradigmática à medida que substitui a neutralidade estatal nas coisas da economia, e nela passa a intervir, lhe corrigindo os prumos em vistas da incorporação do homem à riqueza e às políticas sociais. Assim surge, a partir de 1940, o Estado intervencionista, que, dada sua caracterização de Estado providência, requer um grande aporte de recursos públicos.

d) Estado Social Fiscal: Modelo adotado hoje em dia, surge no final do século XX, e adota a tônica da eficiência, por isso procura reduzir o endividamento público, herança do Estado providência. Sua principal característica é a busca pela responsabilidade fiscal.

O Estado social fiscal está em fase de transição para incorporar as características do Estado democrático de direito, razão pela qual se vislumbra o surgimento do Estado Democrático e Social de Direito, estado Subsidiário, ou Estado da sociedade de risco, ou Estado de segurança, caracterizado pela diminuição do Estado e restrição ao intervencionismo, como informa Luis Eduardo Schouri, citando Ricardo Lobo Torres. 4

Esses modelos não discrepam muito das formas de financiamento da atividade financeira do Estado que, no dizer de Aliomar Baleeiro, podem ser agrupadas ou reduzidas a cinco padrões não necessariamente nesta ordem:

“1. parasitária: oriunda da extorsão, pilhagem e exploração contra povos ou inimigos vencidos, característica do mundo antigo;

2. dominial: decorrente da exploração do próprio patrimônio (bens e direitos) do Estado, tais como imóveis, terras etc., prática disseminada no período medieval;

3. regaliana: obtida através da exploração dos denominados direitos regalianos, assim definidos como os privilégios conferidos e reconhecidos aos reis e príncipes para explorar certos serviços ou conferir esses direitos a terceiros em troca de pagamento ao Estado de uma determinada contribuição (regalia);

4. tributária: obtida coativamente ou coercitivamente e que passaram a ser a principal fonte de receita pública; e

5. social: caracterizada pela utilização do tributo não somente como meio para obtenção de receita, mas, também, com fins extrafiscais, isto é, objetivando influenciar e modificar a ordem econômica e sociopolítica.” 5

Como se observa, pois, o Estado existe para atender as necessidades públicas, 6 aquelas necessidades coletivas que os poderes políticos assumiram como relevantes e as incorporaram no ordenamento jurídico estatal, quer seja por norma constitucional ou legal. Em razão dessas necessidades, o Estado exerce funções variadas. Algumas apresentam certa perenidade. Outras são provisórias; umas de caráter fim, outras de caráter instrumental.

Para prestar o serviço público, para realizar obras públicas, para exercitar o poder de polícia, para intervir no domínio econômico, enfim, para atender as necessidades públicas, o Estado precisa desenvolver uma atividade de natureza instrumental, de caráter meio, sem a qual restaria inviabilizado o desiderato constitucional. É a Atividade Financeira do Estado.

Aliomar Baleeiro define a Atividade Financeira do Estado como a atividade consistente em:

“(...) obter, criar, gerir e despender o dinheiro indispensável às necessidades, cuja satisfação o Estado assumiu ou cometeu àqueloutras pessoas de direito público”....

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
20 de Janeiro de 2022
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1207548630/capitulo-2-ingressos-publicos-parte-i-sistema-tributario-nacional-e-normas-gerais-de-direito-tributario-direito-tributario-ed-2019