Manual de Direito Civil: Família

Manual de Direito Civil: Família

Manual de Direito Civil: Família

Manual de Direito Civil: Família

Família Estruturada pela Convivência

Família Estruturada pela Convivência

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Capítulo II

Família Estruturada pela Convivência

1. Situação jurídica de família

1.1 Convivência e solidariedade

A convivência é fruto da solidariedade.

Convivência é a palavra-chave que está por trás do segredo da afetividade.

A doutrina identifica como relações de afeto aquelas que decorrem do “estar junto” e da benquerença.

Ou seja, o convívio pessoal-solidário-afetivo, que a doutrina mundial costuma qualificar como pacto civil de solidariedade, opera no mundo do direito os efeitos do conceito determinado pela função, capaz de criar entre pessoas, ou individualmente, a vivência de situação jurídica absoluta de família, capaz de – agora por virtude do princípio da lealdade, ou da boa-fé objetiva – gerar deveres e poderes, direitos e obrigações que vinculam tantos quantos se propõem a viver essa experiência humana.

Projetam-se no direito de família por força da abertura do sistema de direito privado os mesmos efeitos jurídicos que o direito de obrigações retira das cláusulas gerais, dos conceitos determinados pela função e dos conceitos legais indeterminados para estabelecer a base de lealdade das obrigações e das consequências do fato (conduta socialmente típica) como fonte de direito. A saber:

a) Sob o ponto de vista do convívio entre pessoas de sexo diferente, no exercício da convivência de afeto, a afetividade gera o que a CF/1988 denomina de união estável (art. 226, § 3.º, da CF/1988 e art. 1.723 do CC/2002 );

b) Sob o ponto de vista do convívio entre pessoas do mesmo sexo, no exercício de convivência de mútua assistência, gera aquilo que a construção pretoriana do STF denomina de união estável de uma outra qualidade;

c) Sob o ponto de vista dos vínculos decorrentes do tratamento de pais para com filhos, uma “outra causa” capaz de gerar a filiação (art. 1.593 do CC/2002 );

d) Sob o ponto de vista do convívio de outras pessoas que buscam amparo mútuo e se dão, mutuamente, suporte afetivo, econômico e familiar, gera aquilo que a CF/1988 denomina, genericamente, de entidade familiar (art. 226, § 4.º, da CF/1988).

Cada uma tem uma peculiaridade; cada uma tem sua distinção; todas buscam institucionalização.

São para elas que costumo dar o nome de “comunidades emocionais”, porque são compostas por pessoas que constroem, a partir de uma rede de mútua assistência, laços indeléveis de família.

Não podem ser alvo de discriminação e, muitas vezes, vivem do carisma que alguém exerce sobre os membros da família.

A convivência que gera afetividade (e por isso gera vínculos jurídicos), como se disse, tem ingresso no sistema de direito civil pelos mecanismos de abertura do sistema: é conceito determinado pela função.

À luz da solidariedade e da afetividade, muitos institutos jurídicos evoluem para uma leitura mais moderna e voltada para o interesse de proteção das pessoas dentro da família.

Algumas súmulas dos estudos recentes de direito civil revelam essa tendência: (a) Enunciado 97 da I Jornada de Direito Civil: No que tange à tutela especial da família, as regras do Código Civil que se referem apenas ao cônjuge devem ser estendidas à situação jurídica que envolve o companheirismo, como, por exemplo, na hipótese de nomeação de curador dos bens do ausente (art. 25 do Código Civil); (b) Enunciado 99 da I Jornada de Direito Civil: O art. 1.565, § 2.º, do Código Civil não é norma destinada apenas às pessoas casadas, mas também aos casais que vivem em companheirismo, nos termos do art. 226, caput, §§ 3.º e 7.º, da Constituição Federal de 1988, e não revogou o disposto na Lei n. 9.263/1996; (c) Súmula 364 do STJ: O conceito de impenhorabilidade de bem de família abrange também o imóvel pertencente a pessoas solteiras, separadas e viúvas.

1.2 O não afeto

Tem, também, a mesma expressão jurídica da afetividade o contraponto dessa experiência, ou seja, o negar-se o parceiro a externar (ou continuar externando) o mesmo afeto que gerou direitos e obrigações, por virtude do fato da vivência comum.

O valor jurídico dessa negação, ou desse afeto não demonstrado, mas que vinha sendo expectado pelo outro, faz nascer obrigações decorrentes do desapontamento experimentado pelo parceiro, nos limites e peculiaridades da boa-fé esperada do outro.

Como regra, não produz efeitos, como no caso do casamento civil, por virtude de uma vontade clara, declarada, com data e hora certa. Acontece, às vezes, por acaso; decorre da lealdade e de um comportamento repetitivo, que enseja análise para saber-se de seus contornos e extensão.

É algo muito fluido, que carece de interpretação ampla e pode ensejar situações ambíguas, equívocas, até mesmo com efeitos contra legem, que muitas vezes precisam ser considerados para que se possa retirar dos seus contornos de fato a base que alimenta a …

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
5 de Julho de 2022
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1212797924/familia-estruturada-pela-convivencia-parte-ii-a-familia-no-sistema-de-direito-privado-manual-de-direito-civil-familia