Manual de Processo Penal

Manual de Processo Penal

Manual de Processo Penal

Manual de Processo Penal

Capítulo X. Questões prejudiciais. Procedimentos incidentais. Medidas assecuratórias

Capítulo X. Questões prejudiciais. Procedimentos incidentais. Medidas assecuratórias

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Capítulo X

Questões Prejudiciais. Procedimentos Incidentais. Medidas Assecuratórias

1. Noções gerais

As questões incidentais e os procedimentos incidentais são coisas distintas. Questão significa o ponto concreto sobre o qual há a justaposição do direito de punir e do direito de liberdade. Versa um fato ou o direito aplicável a esse fato. Sobre um e outro não há incontrovérsia no processo penal. O direito de punir torna-se efetivo após ampla reação do acusado, em contraditório pleno, por sentença fundamentada emanada do juízo natural, transitada em julgado, com observância do devido processo legal formal e substancial. Os fatos precisam ser provados e deve ser identificado o direito aplicável aos mesmos. Esses núcleos fáticos e jurídicos, concretos, são pontos que dependem de acertamento. Essa dependência de acertamento acerca de pontos específicos, essa necessidade de transformar a alegação em certeza processual, transmuda os pontos em questões. Se estas questões precisam ser resolvidas antes do juízo a ser proferido em relação a outras questões processuais, de forma que, resolvida em determinado sentido, prejudica, dispensa esse juízo, chamam-se questões prejudiciais. Tornam desnecessário o exame da questão processual em relação a qual foi anteposta. Não se trata de matéria preliminar de arrazoados, mas de um ponto concreto, sobre o qual há dúvida que o transforma em uma questão que, resolvida, põe fim à questão processual posposta.

A questão prejudicial, portanto, é a que surge para antepor-se ou contrapor-se a outra questão, a fim de anular ou tornar ineficaz qualquer influência dela. Assim sendo, o seu reconhecimento ou a sua aceitação, como procedente e certa, tem a influência ou a eficácia de tornar desnecessária a decisão acerca da outra questão a que se antepôs (...) Somente será, efetivamente, prejudicial, quando a solução que lhe for dada tenha decidido, indiretamente, a dúvida acerca da questão principal, prejulgando-a” (De Plácido e Silva. Vocabulário jurídico. 12. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1996. vol. IV, p. 11 e 12).

As questões prejudiciais são homogêneas ou heterogêneas. Aquelas versam matéria penal e estas matéria extrapenal. As prejudiciais são obrigatórias nos casos em que a lei determina a suspensão do feito até o deslinde das mesmas e facultativas quando essa suspensão fica ao critério do juiz.

A lei processual penal emprega o termo processo incidente, mas se trata de procedimento incidente. Em alguns casos, presentes determinadas circunstâncias, faz-se necessária a instauração de procedimento paralelo à relação jurídica processual penal, relacionado com a mesma e destinado à resolução de matéria acessória daquela. Essa resolução não prejudica a resolução de outra, antes estabelece a certeza quanto ao juízo competente, à qualidade da prova documental e à sanidade mental do acusado. Esse procedimento, acessório, recai sobre o principal, dirimindo pontos que propiciarão o regular desenvolvimento do último, ao seu tempo. Serve ao principal e, antes da resolução deste, dirime a matéria que depende de imediata solução (José Frederico Marques. Elementos de direito processual penal. 2. ed. Campinas: Millennium, 2000. vol. I, p. 470).

O procedimento incidental de sanidade mental do acusado foi estudado no capítulo das provas (art. 159 e ss., do CPP). As medidas assecuratórias, nada obstante tratar-se de um procedimento cautelar, serão estudadas no presente capítulo, para não se fugir à organização do CPP, também nesse passo.

Desta forma, as questões prejudiciais (estado civil das pessoas e outros pontos, exceções, incompatibilidades e impedimentos) e os procedimentais incidentais (conflito de competência e falsidade documental) serão examinados no presente capítulo (Ver: Antonio Scarance Fernandes. Prejudicialidade. São Paulo: Ed. RT, 1988).

2. Questão prejudicial sobre o estado civil das pessoas e sobre outros pontos

O termo estado tem origem latina, status, expressando o conteúdo da personalidade. “Toda pessoa tem um estado, de que resultam múltiplas relações jurídicas. Esse estado pode ser encarado sob três ângulos diferentes: individual, familiar e político. Estado individual, ou físico, é o modo de ser da pessoa, sob o aspecto de sua constituição orgânica. No seu estudo são equacionados diversos elementos objetivos, como idade, sexo e saúde, os quais exercem decisiva influência sobre a capacidade civil (...). Estado familiar é a posição ocupada pela pessoa no seio da família. Todo indivíduo se enquadra em determinada família por três ordens de relações: o vínculo conjugal, o parentesco por sanguinidade e a afinidade. Sob esse aspecto, o estado familiar distingue as pessoas em casadas, solteiras, viúvas, separadas …

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
3 de Julho de 2022
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1219090760/capitulo-x-questoes-prejudiciais-procedimentos-incidentais-medidas-assecuratorias-manual-de-processo-penal