Governança Estratégica para Escritórios de Advocacia - Ed. 2019

Governança Estratégica para Escritórios de Advocacia - Ed. 2019

7. Governança de Talentos e Liderança

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Envolvimento ou comprometimento?

Às vezes usamos de maneira sinônima as duas palavras para indicar um dos “KPIs” subjetivos mais utilizados para avaliar a dedicação de um colaborador à empresa ou a uma atividade, mas seus significados são diferentes sobre o ponto de vista semântico e brutalmente diferentes do ponto de vista de avaliação profissional.

O Houaiss nos mostra as seguintes diferenças nos verbetes:

Comprometimento

• substantivo masculino

ação ou fato de comprometer(-se)

Envolvimento

• substantivo masculino

ato ou efeito de envolver(-se); envoltura

Comprometer

• verbo

pronominal

obrigar-se por compromisso

Envolver

• verbo

transitivo direto, bitransitivo e pronominal

fazer tomar ou tomar parte em; implicar(-se)

Vemos nitidamente que comprometimento é um atributo muito mais “forte”, pois envolve subliminarmente um aspecto moral e ético no processo da participação de uma pessoa em uma atividade.

É óbvio que todas as empresas querem, gostam e precisam de profissionais comprometidos em suas equipes para serem mais produtivas, eficientes e competitivas, principalmente em épocas de crise como a que estamos passando neste momento. Só o fato de estarem contratados ou fazerem parte de uma equipe já os torna envolvidos e isso não é o suficiente.

Profissionalmente e de maneira lúdica considero que a melhor imagem que podemos atribuir à diferenciação entre os dois termos é a avaliação da participação dos dois principais elementos que compõem o tradicional sanduíche “misto-quente”. Nele, a vaca se envolveu no processo de sua elaboração, fornecendo o leite (que depois virou queijo), e o porco se comprometeu com o processo dando a vida para fornecer o presunto!

Além do aspecto de uso sinônimo dos atributos anteriores, existem outros fatores que mediocrizaram ao longo do tempo a importância na sua utilização:

– O termo comprometimento, por conta da sua superexposição, ou seja, de sua citação intensa em quase todos os modelos de avalição profissional, tornou-se desgastado e perdeu a força que lhe é intrínseca.

– A falta de definição (profissional) clara de quais comportamentos caracterizam corretamente o comprometimento de uma pessoa dentro de uma organização.

– Além disso, por se tratar de um atributo de avaliação subjetiva, está intimamente ligado à geração a que o avaliador pertence.

Exemplos: um avaliador pertencente à geração baby boomer pode considerar (por que foi avaliado assim) como comprometimento a dedicação do profissional à empresa ao longo dos anos, ou seja, quanto tempo de sua vida ele dedicou à empresa, a sua pontualidade, a sua assiduidade etc. Um avaliador pertencente à geração X olha muito mais para a “garra” com que o profissional encara seu desafio e qual a sua eficácia de sua dedicação. Já um avaliador da geração Y pode desprezar os aspectos de assiduidade e pontualidade (pois cresceu num mundo conectado e virtualizado) na sua avaliação.

Não estou querendo dizer com esses argumentos que o atributo não deva mais ser utilizado nas avaliações subjetivas de profissionais, e sim que deva ser utilizado corretamente!

Primeiro e mais importante, na minha opinião, o atributo …

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
29 de Maio de 2022
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1250396702/7-governanca-de-talentos-e-lideranca-governanca-estrategica-para-escritorios-de-advocacia-ed-2019