Execução Penal - Ed. 2021

Referências

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

ABREU, Sérgio França Adorno de. As Instituições totais: elementos para um modelo de análise. Revista do IMESC, ano IV, n. 1, São Paulo, 1981.

AEBERSOLD, Peter. Le Projet alternatif allemand d’une loi sur l’exécution des peines. Revue Internationale de Droit Pénal, n. 3/4, 1975.

ALEXY, Robert. Teoría de los derechos fundamentales. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1997.

ALMEIDA, Angélica de Maria Mello de. Notas sobre o direito de votar do preso. Boletim da Associação dos Juízes para a Democracia, ano 11, n. 42, São Paulo, jun.-ago. 2007.

ALMEIDA, João Beccon de Neto. Banco de dados genéticos para fins criminais: implicações de um debate hodierno. Boletim IBCCRIM, ano 18, n. 213, São Paulo, ago. 2010.

ALVIM, Rui Carlos Machado. Curso de direito penal brasileiro. São Paulo: Ed. RT, 1999.

________. Execução penal: o direito à remição da pena. Revista dos Tribunais, v. 606, São Paulo, abr. 1986.

________. O trabalho penitenciário e os direitos sociais. São Paulo: Atlas, 1991.

AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho; OLIVEIRA, Walter Ferreira de. A saúde integral e a inclusão da atenção psicossocial no SUS: pequena cronologia e análise do movimento de reforma psiquiátrica e perspectivas de integração. Dynamis Revista Tecno-científica, Blumenau, v. 12, n. 47, Edição Especial atenção psicossocial na atenção Básica 2, p. 6-21, abr./jun. 2004.

ANASTASIA, Stefano. Carcere, ora il numero chiuso. Disponível em: < http://www.fuoriluogo.it/sito/home/mappamondo/europa/italia/rassegna_stampa/carcere-ora-il-numero-chiuso> . Acesso em: 18 mar. 2013.

________. Carcere, populismo penale e tutela dei diritti. Democrazia e diritto, n. 3-4, Roma, 2011.

ANGELINI, Niccolò Guido. Detenzione e Divieto di Tortura. Responsabilità civile e previdenza. Rivista di dottrina, giurisprudenza e legislazione, v. 75, fasc. 1, 2010.

ANISTIA INTERNACIONAL. Combatendo a Tortura: manual de ação. Tradução: Galeno Fae de Almeida. Londres: Amnesty International Publications, 2003.

ANNAS, George J. Hunger Strikes. British Medical Journal, n. 311, London, 1995.

ARIZA, Libardo José. The Economic and Social Rights of Prisoners and Constitutional Court Intervention in the Penitentiary System in Colombia. In: MALDONADO, Daniel Bonilla. Constitutionalism of the Global South. The Activist Tribunals of India, South Africa, and Colombia. New York: Cambridge University Press, 2013.

AROCENA, Gustavo. Los Principios Básicos de la Ejecución Penitenciaria en el Ordenamiento Jurídico Argentino. In: AROCENA, Gustavo (Dir.). Derecho Penitenciario. Discusiones actuales. Córdoba: Alveroni, 2011.

________. El control judicial de la ejecución de la pena privativa de la libertad – sobre la necesidad del control y de una magistratura especializada. In: AROCENA, Gustavo (Dir.). Derecho Penitenciario. Discusiones actuales. Córdoba: Alveroni, 2011.

BALDASSARE, Antonio. Libertà (problemi generali). Enciclopedia Giuridica, v. 19, Roma, 1990.

BARATTA, Alessandro. Diritto alla sicurezza o sicurezza dei diritti? In: ANASTASIA, Stefano; PALMA, Mario (Orgs.). La bilancia e la misura. Giustizia, sicurezza, riforme. Milano: Ed. Franco Angeli, 2001.

________. Resocialización o control social – por un concepto crítico de “reintegración social” del condenado. In: Criminologia Crítica – Fórum Internacional de Criminologia Crítica. OLIVEIRA, Edmundo (Coord.). Belém: Edições CEJUP, 1990.

________. Vecchie e nuove strategie nella legittimazione del diritto penale. Dei delitti e delle pene. Rivista di studi sociali, storici e giuridici sulla questione criminale, n. 2, v. 3, Bologna, maio/ago. 1985.

BARRETO, Tobias. O fundamento do direito de punir. In: Estudos de Direito. Campinas: Bookseller, 2000.

BARROS, Carmen Silvia de Moraes. A individualização da pena na execução penal. São Paulo: Ed. RT, 2001.

BASAGLIA, Franco. A instituição negada. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BASALO, Juan Carlos García. Introducción a la arquitectura penitenciaria. Revista Penal y Penitenciaria, tomo XXII, Buenos Aires, 1959.

BATISTA, Nilo. Cem anos de reprovação. In: BATISTA, Nilo; NASCIMENTO, André (Orgs.). Cem Anos de Reprovação. Rio de Janeiro: Revan, 2011.

________. Introdução crítica ao direito penal brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, 2001.

________. Novas tendências do direito penal. Rio de Janeiro: Revan, 2004.

________. Punidos e mal pagos: violência, justiça, segurança pública e direitos humanos no Brasil de hoje. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

________. Reforma Penitenciária à Francesa. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 16 mar. 1989.

________; ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Direito penal brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

BATISTA, Vera Malaguti. O Proclamado e o Escondido: a violência da neutralidade técnica. Discursos Sediciosos, n. 3. Rio de Janeiro: Revan, 1997.

BECKFORD, James; GILLIAT, Sophie. Religion in prison: equal rites in a multi-faith society. New York: Cambridge University Press, 1998.

BENETI, Sidnei Agostinho. Execução penal. São Paulo: Saraiva, 1996.

BERNARDI, Elena. Corrispondenza dei detenuti e diritti fondamentali della persona. Rivista Italiana di Diritto e Procedura Penale, Milano, 1983.

BERTI, Giorgio. Interpretazione costituzionale. Padova: CEDAM, 1987.

BINDER, Alberto M. Introducción al derecho procesal penal. Buenos Aires: Ad-Hoc, 1993.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Novas penas alternativas. São Paulo: Saraiva, 1999.

________. Tratado de direito penal. Parte geral. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2011. v. I.

BLOY, Marjie. The principle of ‘less eligibility’. Disponível em: < http://www.victorianweb.org/history/poorlaw/eligible.html> . Acesso em: 8 set. 2013.

BOLZE, Bernard. Les prisons: toujours trop pleines! Disponível em: < http://www.bakchich.info/societe/2008/03/17/les-prisons-toujours-trop-pleines-52067> . Acesso em: 11 abr. 2013.

BONNEMAISON, Gilbert. La modernisation du service public pénitentiaire: rapport au Premier ministre et au Garde des Sceaux, Ministre de la Justice. Paris: Ministère de la Justice, 1989.

BORTOLATO, Marcello. Sovraffollamento carcerario e trattamenti disumani o degradanti (la CEDU condanna l’Italia per le condizioni dei detenuti). Questione Giustizia, n. 5, 2009.

BOVINO, Alberto. Control judicial de la privación de libertad y derechos humanos. In: BOVINO, Alberto. Justicia penal y derechos humanos. Buenos Aires: Editores Del Puerto, 2004.

BRAGA, Vinicius Gil. As Medidas de Segurança à Luz do Estado Democrático de Direito: Apontamentos à Consecução de uma Teoria Agnóstica da Medida de Segurança. In: CARVALHO, Salo de (Coord.). Crítica à execução penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

BRANDARIZ GARCÍA, José Ángel. El Gobierno de la Penalidad. La complejidad de la Política criminal contemporánea. Madrid: Dykinson, 2014.

BRANHAM, Lynn S. Cases and Materials on the Law and Policy of Sentencing and Corrections. 9. ed. St. Paul: West, 2013.

BRASIL. Exposição de Motivos da Nova Parte Geral do Código PenalLei n. 7.209, de 11 de julho de 1984.

________. Comissão para Implementação e Acompanhamento dos Conselhos da Comunidade. Cartilha Conselhos da Comunidade. 2. ed. Brasília: Ministério da Justiça, 2008.

________. Parecer sobre medidas de segurança e hospitais de custódia e tratamento psiquiátrico sob a perspectiva da Lei n. 10.216/2001. Brasília: Ministério Público Federal. Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), 2011.

BRICOLA, Franco. Scritti di diritto penale. Milano: Giuffrè, 1997. v. I, t. II.

BRITO, Alexis Couto de. Execução penal. 3. ed. rev., ampl. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

BRITTO, Carlos Ayres. O Humanismo como categoria constitucional. Belo Horizonte: Fórum, 2007.

BURMEISTER, Sonia Gruben. Mediación restaurativa y gestión positiva de conflictos en centros penitenciarios. Revista de Mediación. Especial Mediación Penal y Penitenciaria. Disponível em: < http://new.pensamientopenal.com.ar/sites/default/files/2014/04/ejecucion02_0.pdf> . Acesso em: 20 maio 2014.

BUSATO, Paulo César. Execução penal e cidadania global: a tratativa discriminatória da progressão de regime para o estrangeiro no Brasil. Revista dos Tribunais, v. 892, São Paulo, fev. 2010.

________. Regime Disciplinar Diferenciado como Produto de um Direito Penal do Inimigo. In: CARVALHO, Salo de (Coord.). Crítica à execução penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. O Estado de Coisas Inconstitucional e o litígio estrutural. Disponível em: < http://www.conjur.com.br/2015-set-01/carlos-campos-estado-coisas-inconstitucional-litigio-estrutural> . Acesso em: 22 set. 2015.

CAPRIOLI, Francesco; VICOLI, Daniele. Procedura penale dell´esecuzione. 2. ed. Torino: Giappichelli, 2011.

CARVALHO, Amilton Bueno de. Garantismo penal aplicado à execução penal. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

CARVALHO, Salo de. Supérfluos fins (da pena): constituição agnóstica e redução de danos. Boletim IBCCRIM, n. 156, v. 13. São Paulo, nov. 2005.

________. O (novo) papel dos criminólogos na execução penal. In: CARVALHO, Salo de (Coord.). Crítica à execução penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

________; FREIRE, Christiane Russomano. Notas críticas à Reforma do Sistema Punitivo Brasileiro. In: CARVALHO, Salo de (Coord.). Crítica à execução penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

________. Pena e garantias. 3. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

_______. Em defesa da Lei de Responsabilidade Político-Criminal. Revista da EMERJ, v. 15, Rio de Janeiro, 2012.

________. Penas e medidas de segurança no direito penal brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2013.

CASSAGNE, Juan Carlos. En torno de las sanciones administrativas y la aplicabilidad de los principios del derecho penal. In: Estudios de derecho público. Buenos Aires: Depalma, 1995.

CASTELLANOS, Clarisa Esther. La potestad disciplinaria de la autoridad penitenciaria y la vigencia del principio non bis in idem en el ámbito de ejecución penal. In: AROCENA, Gustavo (Dir.). Derecho Penitenciario. Discusiones actuales. Córdoba: Alveroni, 2011.

CATTANEO, Mario A. Pena, diritto e dignità umana. Saggio sulla filosofia del diritto penale. Torino: Giappichelli, 1998.

CÉRE, Jean-Paul. La surveillance électronique: une réelle innovation dans le procès pénal? Revista da Faculdade de Direito de Campos, v. 7, n. 8, Campos dos Goytacazes, jan.-jun. 2006.

CERVELLÓ DONDERIS, Vicenta. La huelga de hambre penitenciaria: fundamento y límites de la alimentación forzosa. Estudios Penales y Criminológicos, n. 19, Santiago de Compostela, 1996.

CESANO, José Daniel. Derecho Penitenciario. Aproximación a sus fundamentos. Córdoba: Alveroni, 2007.

________. Estudios de derecho penitenciario. Buenos Aires: Ediar, 2003.

________. Un estudio sobre las sanciones disciplinarias penitenciarias. Córdoba: Alveroni, 2002.

________; PERANO, Jorge. El derecho de ejecución penal. Córdoba: Alveroni, 2005.

________. Limitaciones al Legislador y al Poder Administrador. In: CESANO, José Daniel; REVIRIEGO PICÓN, Fernando (Coords.). Teoría y Práctica de los Derechos Fundamentales en las Prisiones. Montevideo-Buenos Aires: Editorial B de F, 2010.

CHENAIN, Liliane. Usage barbare? Contribuição ao seminário Population carcérale et “numerus clausus” – débat autour d’un concept incertain. Paris, set. 2005.

CHUNG, Susanna Y. Prison Overcrowding: Standards in Determining Eighth Amendment Violations, vol. 68 Fordham Law Review, 2351, New York, 2000.

CINTRA JÚNIOR, Dyrceu Aguiar Dias. A jurisdicionalização do processo de execução penal: o contraditório e a ampla defesa, Revista Brasileira de Ciências Criminais, ano 3, n. 9, São Paulo, jan./mar. 1995.

CIRINO DOS SANTOS, Juarez. Direito penal. Parte geral. 3. ed. rev. e ampl. Curitiba: ICPC – Lumen Juris, 2008.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Princípios e boas práticas para a proteção das pessoas privadas de liberdade nas Américas (aprovados pela Resolução n. 1/2008). Disponível em: < https://cidh.oas.org/Publicacoes.htm> . Acesso em: 20 jul. 2017.

CORDEIRO, Suzann. Até quando faremos relicários? A função social do espaço penitenciário. 2. ed. Alagoas: EDUFAL, 2010.

________. De Perto e de Dentro: A Relação entre o Indivíduo encarcerado e o Espaço Arquitetônico Penitenciário. Alagoas: EDUFAL, 2009.

COSTA, Luiz Fernando Gaspar. Conselho penitenciário e a Ação Civil Pública. Revista dos Tribunais, v. 849, São Paulo, jul. 2006.

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda. Introdução aos princípios gerais do direito processual penal brasileiro. Revista de Estudos Criminais, n. 1, Porto Alegre, 2001.

COYLE, Andrew. Administração penitenciária: Uma abordagem de direitos humanos – Manual para servidores penitenciários. Brasília: International Centre for Prison Studies – King’s College London, Ministério da Justiça do Brasil e Embaixada Britânica, 2004.

DA SILVA, Péricles Batista. A prescrição ânua da falta disciplinar de natureza grave na execução penal. Disponível em: < http://jus.com.br/artigos/22136/a-prescrição-anua-da-falta-disciplinar-de-natureza-grave-na-execução-penal> . Acesso em: 17 ago. 2013.

DALBORA, José Luis Guzmán. Diagnóstico y perspectivas del binomio judicialización-jurisdiccionalización, en el cumplimiento de las penas privativas de la libertad. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 22, São Paulo, abr. 1998.

DAUMAS, Jean-Louis. En prison comme en milieu ouvert. Contribuição ao seminário Population carcérale et “numerus clausus” débat autour d’un concept incertain. Paris, set. 2005.

DE CASTILHO, Ela Wiecko Volkmer. Controle da legalidade na execução penal. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 1988.

DE LA FUENTE, Javier Esteban; SALDUNA, Mariana. Ejecución penal. Reforma de los arts. 13, 14 y 15 del Código Penal. In: DONNA, Edgardo Alberto (Dir.). Reformas penales. Santa Fé: Rubinzal-Culzoni, 2004.

DE SÁ, Alvino Augusto. Arquitetura carcerária e tratamento penal. Revista dos Tribunais, v. 651, São Paulo, jan. 1990.

DE VITO, Christian. Edilizia penitenziaria, serve una moratoria contro il sovraffollamento. Disponível em: < http://altracitta.org/2010/02/05/edilizia-penitenziaria-%C2%ABserve-una-moratoria-contro-il-sovraffolamento%C2%BB/> . Acesso em: 18 mar. 2013.

DELMANTO, Celso et al. Código Penal Comentado. 8. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2010.

DIAS, Camila Caldeira Nunes. A igreja como esconderijo e a Bíblia como refúgio: religião e violência na prisão. São Paulo: Humanitas, 2008.

________. A sujeição pela disciplina: religião e castigo na prisão. Revista Brasileira de Ciências Criminais, n. 73, São Paulo, jul.-ago. 2008.

________. Prática religiosa na prisão: tensões e ambiguidades. Revista Transdisciplinar de Ciências Penitenciárias, n. 1, v. 4, Pelotas, jan.-dez. 2005.

DIETER, Maurício Stegemann. Política criminal atuarial: a criminologia do fim da história. Rio de Janeiro: Revan, 2013.

DO PRADO, Daniel Nicory. Perda dos dias remidos e o princípio da proporcionalidade. In: XIMENES, Rafson; DO PRADO, Daniel Nicory (Coords.). Redesenhando a execução penal. A superação da lógica dos benefícios. Salvador: Faculdade Baiana de Direito, 2010.

DOTTI, René Ariel. Execução penal no Brasil: aspectos constitucionais e legais. Revista dos Tribunais, v. 664, São Paulo, fev. 1991.

DUTRA, Yuri Frederico. Como se estivesse morrendo: a prisão e a revista íntima realizada em familiares de presos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ERHEL, Catherine. Une solution: le numerus clausus. Disponível em: < http://www.lexpress.fr/informations/une-solution-le-numerus-clausus_637368.html> . Acesso em: 12 abr. 2013.

EUSEBI, Luciano. Ripensare le modalità della risposta ai reati traendo spunto da c. Eur. Dir. Uomo 19 giugno 2009, Sulejmanovic c. Italie. Cassazione Penale, n. 12, 2009.

FAURE, Michael. Par défaut de définition. Contribuição ao seminário Population carcérale et “numerus claususdébat autour d’un concept incertain. Paris, set. 2005.

FELLINI, Zulita (Dir.). Derecho de ejecución penal. Buenos Aires: Hammurabi, 2006.

FERNANDES, Antônio Scarance. Execução penal: aspectos jurídicos. Revista do Centro de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal, v. 3, Brasília, abr. 1999.

________. Reflexos relevantes de um processo de execução penal jurisdicionalizado. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 3, São Paulo, jul. 1993.

FERNÁNDEZ-CABALLERO, Marina; DEL HIERRO, Ester; JUBERÍAS, Marta Archilla. “Mediación penitenciaria”. Una nueva propuesta para mediar en una cárcel de mujeres. Revista de Mediación. Especial Mediación Penal y Penitenciaria. Disponível em: < http://new.pensamientopenal.com.ar/sites/default/files/2014/04/ejecucion02_0.pdf> . Acesso em: 20 maio 2014.

FERRAJOLI, Luigi. Derechos y garantías. La ley del más débil. Madrid: Trotta, 1999.

________. Direito e razão. Teoria do garantismo penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

FLICK, Giovanni Maria. A proposito di un volume sul carcere e la pena a cura di Franco Corleone e Andrea Pugiotto. Costituzionalismo.it, fasc. 1, 2013.

FONSECA, Reynaldo Soares da. O Princípio Constitucional da Fraternidade. Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2019.

FÖPPEL, Gamil. Jurisdicionalização do processo de execução penal. Disponível em: < http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/files/anexos/33050-41550-1-PB.pdf> . Acesso em: 26 ago. 2013.

FORTICH, Luis Fernando; GROER, Verónica Paola. El derecho a la intimidad de los reclusos. La libertad sexual y las visitas íntimas. Más Derecho, ano 2, Buenos Aires, dez. 2001.

FOUCAULT, Michel. Soberania e Disciplina. In: Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

________; Vigiar e punir. 26. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

FRAGOSO, Heleno. Lições de Direito Penal. 16. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

________; CATÃO, Yolanda; SUSSEKIND, Elisabeth. Direitos dos presos. Rio de Janeiro: Forense, 1980.

FRANÇA. Les conditions de la réinsertion socioprofessionnelle des détenus en France. Avis du Conseil économique et social sur le rapport présenté par M. Donat Decisier au nom de la section des affaires sociales. Paris: Conseil Économique et Social, fev. 2006.

________. Rapport fait au nom de la commission d´enquête sur la situation dans les prisons françaises. Paris: Assemblée Nationale, juin 2000.

FRANCO, Alberto Silva. A jurisdicionalização da execução penal. In: Temas de Direito Penal. São Paulo: Saraiva, 1986.

GAMBIER, Beltrán; ROSSI, Alejandro. Derecho administrativo penitenciario. Buenos Aires: Abeledo-Perrot, 2000.

GIL BELLONI, Agustina; GARCÍA, Adolfo Eduardo. El control judicial de las sanciones disciplinarias impuestas por la autoridad penitenciaria a personas privadas de su libertad. Ícaro. Revista de Ejecución de la Pena Privativa de la Libertad y el Encierro, año 2, n. 2, Buenos Aires, 2007.

GIORDANO, Franco. Per un´alternativa culturale di società. Antigone, n. 3, Roma, 2006.

GOFFMAN, Erving. Internados: ensayos sobre la situación social de los enfermos mentales. 1. ed. 5. reimpr. Buenos Aires: Amorrortu Editores, 1994.

GOMES, Luiz Flávio. A menor elegibilidade (“less eligibility”) da prisão. Disponível em: < http://jus.com.br/artigos/19887/a-menor-elegibilidade-less-eligibility-da-prisão> . Acesso em: 8 set. 2013.

GOMES, Marcus Alan de Melo. Princípio da proporcionalidade e extinção antecipada da pena. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

GOMES FILHO, Antônio Magalhães. A defesa do condenado na execução penal. In: GRINOVER, Ada Pellegrini; BUSANA, Dante (Coords.). Execução penal. São Paulo: Max Limonad, 1987.

GONIN, Daniel. La Santé incarcérée. Médecine et conditions de vie en détention. Paris: L’Archipel, 1991.

GOULART, José Eduardo. Princípios informadores do direito da execução penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1994.

GRASSIAN, Stuart. Psychiatric Effects of Solitary Confinement. Washington University Journal of Law & Policy, Volume 22, 2006.

GRECO, Rogério. Código Penal Comentado. 7. ed. Niterói: Impetus, 2013.

GREVI, Vittorio; GIOSTRA, Glauco; DELLA CASA, Franco. Ordinamento penitenziario: commento articolo per articolo. 3. ed. Padova: CEDAM, 2006.

GRINOVER, Ada Pellegrini. A natureza jurídica da execução penal. In: GRINOVER, Ada Pellegrini; BUSANA, Dante (Coord.). Execução penal. São Paulo: Max Limonad, 1987.

GUINDANI, Miriam Krensinger A. Tratamento penal: a dialética do instituído e do instituinte. In: CARVALHO, Salo de (Coord.). Crítica à execução penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

HAMMERSCHMIDT, Denise. Identificación Genética, Discriminación y Criminalidad: Un Análisis de La Situación Jurídico Penal en España y en Brasil Actualizada por la Ley 12.654/12. Curitiba: Juruá, 2012.

HANEY, Craig. Prison Reform: Commission on Safety and Abuse in America’s Prisons. The Wages of Prison Overcrowding: Harmful Psychological Consequences and Dysfunctional Correctional Reactions. Washington University Journal of Law &Policy, Volume 22, January, 2006.

-----------------; LYNCH, Mona. Regulating Prisons of the Future: A Psychological Analysis of Supermax and Solitary Confinement. New York University Review of Law and Social Change, n. 23, 1997.

HARFUCH, Andres; VELA, Rolando; ANGULO, Durga. La vigencia del principio acusatorio en la etapa de ejecución de la pena. In: FELLINI, Zulita. Derecho de ejecución penal. Buenos Aires: Hammurabi, 2006.

HENDRICH JÚNIOR, Witoldo. A insalubridade do ambiente carcerário como critério objetivo de cumprimento antecipado da pena. Disponível em: < http://www.portalcejur.rj.gov.br >.

HERZOG-EVANS, Martine. Droit de la sanction pénitentiaire. Paris: Dalloz, 2004.

________. Droit de l’exécution des peines. 4. éd. Paris: Dalloz, 2012-2013.

________. Droit pénitentiaire. Paris: Dalloz, 2012-2013.

HESSE, Konrad. A força normativa da Constituição. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 1991.

HOWARD, John. État des Prisons, des Hôpitaux et des Maisons de Force. Paris: Chez Lagrange, 1788. t. I.

JACOBINA, Paulo Vasconcelos. Direito Penal da loucura. Brasília: ESMPU, 2008.

JAPIASSÚ, Carlos Eduardo Adriano; MACEDO, Celina Maria. O Brasil e o Monitoramento eletrônico. In: Monitoramento eletrônico: Uma alternativa à prisão? Experiências internacionais e perspectivas no Brasil. Brasília: Ministério da Justiça, 2008.

JESUS FILHO, José de. Liberdade religiosa e prisão. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 82, São Paulo, jan. 2010.

JOHANNES WEIR FOUNDATION FOR HEALTH AND HUMAN RIGHTS. Assistance in Hunger Strikes: A Manual for Physicians and Other Health Personnel Dealing with Hunger Strikes. Amersfoort: JWFHHR, 1995.

JULIANO, Mario Alberto. Levantando las cortinas de hierro que separan las cárceles de la Constitución. Revista Pensamiento Penal, n. 172. Disponível em: < http://www.pensamientopenal.com.ar/articulos/levantando-cortinas-hierro-que-separan-carceles-constitucion> . Acesso em: 28 maio 2014.

KARAM, Maria Lúcia. Disciplina do livramento condicional no ordenamento jurídico brasileiro e violações a direitos fundamentais. In: MARCHI JUNIOR, Antônio de Padova; PINTO, Felipe Martins (Coords.). Execução penal: constatações, críticas, alternativas e utopias. Curitiba: Juruá, 2008.

KAUFMANN, Hilde. Principios para la reforma de la ejecución penal. Buenos Aires: Ediciones Depalma, 1977.

KUEHNE, Maurício. Alterações à execução penal – Primeiras impressões. Disponível em: < http://www.ibccrim.org.br/artigo/6223-Nacional :-Alteracoesaexecucao-penal---Primeiras-impressoes>. Acesso em: 18 dez. 2013.

________. Lei de Execução Penal anotada. 11. ed., rev. e atual. Curitiba: Juruá, 2013.

LABAND, Paul. Il diritto pubblico dell´impero germanico. Trad. Manfredi Siotto Pintor. Torino: Unione Tipografico Editrice Torinese, 1914.

LANDRIN, Sophie. Une campagne contre les prisons surpeuplées: “Trop c’est trop”. Disponível em: < http://www.au-troisieme-oeil.com/index.php?page=actu&type=skr&news=18343> . Acesso em: 11 abr. 2013.

LASAGABASTER HERRARTE, Iñaki. Las relaciones de sujeción especial. Madrid: Civitas, 1994.

LEAL, Cesar Barros. Visita íntima: um direito do preso. Revista do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, n. 12, v. 1, Brasília, jul. 1998/dez. 1999.

LEAL, João José. Algumas questões polêmicas acerca da remição penal. Revista dos Tribunais, v. 822, São Paulo, abr. 2004.

LEEKE, Willian (Dir.). The emerging rights of the confined. South Carolina: South Carolina Department of Corrections, 1972.

LEFEBVRE, Henri. La Production de l´espace. 4. éd. Paris: Anthropos, 2000.

LIMA, Roberto Gomes; PERALLES, Ubiracyr. Teoria e prática da execução penal – Nova edição, revista e aumentada. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

LIMOCCIA, Leandro. Diritto penitenziario e dignità umana. Napoli: Edizioni Scientifiche Italiane, 2012.

LOBEL Jules. Prolonged Solitary Confinement and the Constitution. Disponível em: < http://scholarship.law.upenn.edu/cgi/ viewcontent.cgi?article=1145&context=jcl>. Acesso em: 31.jul.2020.

LOPES JUNIOR, Aury. A instrumentalidade garantista no processo de execução penal. In: CARVALHO, Salo de (Coord.). Crítica à execução penal. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2002.

________. Direito processual penal e sua conformidade constitucional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

________. Introdução Crítica ao Processo Penal – Fundamentos da Instrumentalidade Constitucional. 4. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.

________. Lei 12.654/2012: É o fim do direito de não produzir prova contra si mesmo (nemo tenetur se detegere)? Boletim IBCCRIM, n. 236, São Paulo, jul. 2012.

________. Revisitando o processo de execução penal a partir da instrumentalidade garantista. In: CARVALHO, Salo de (Coord.). Crítica à execução penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

________; BADARÓ, Gustavo Henrique. Direito ao processo penal no prazo razoável. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

LÓPEZ, Axel Gustavo; MACHADO, Ricardo Luis. Análisis del régimen de ejecución penal. Buenos Aires: Fabián J. Di Plácido, 2004.

LOZANO BEDOYA, Carlos Augusto. Derechos de las personas privadas de libertad. Manual para su vigilancia y protección. Bogotá: Defensoría del Pueblo y Oficina en Colombia del Alto Comisionado de las Naciones Unidas para los Derechos Humanos, 2006.

LÜCHMANN, Lígia Helena Hahn; RODRIGUES, Jefferson. O movimento antimanicomial no Brasil. Disponível em: < http://www . scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-8123200700 0200 016>. Acesso em: 30 set. 2016.

LUISE, Maria A. Solitary Confinement: Legal and Psychological Considerations. New England Journal on Criminal & Civil Confinement, 15, 1989.

MACHADO, Carlos Augusto Alcântara. A Fraternidade como Categoria Jurídica: fundamentos e alcance (expressão do constitucionalismo fraternal). Curitiba: Appris, 2017.

MAIA NETO, Cândido Furtado. A inconstitucionalidade da execução da pena privativa de liberdade – flagrante violação aos direitos humanos dos presos. Revista dos Tribunais, v. 707, São Paulo, set. 1994.

MAIELLO, Vincenzo. Clemenza e Sistema Penale: dall’indulgentia principis all’idea dello scopo. Napoli: Edizioni Scientifiche Italiane, 2007.

MAIEROVITCH, Wálter Fanganiello. Apontamentos sobre o direito da execução penal. Revista de Processo, v. 66, São Paulo, abr. 1992.

MANCONI, Luigi. Numero chiuso per le carceri. Disponível em: < http://lavoro-ai-fianchi.com.unita.it/política/2013/01/19/numero-chiuso-per-le-carceri/> . Acesso em: 18 abr. 2013.

MAPELLI CAFFARENA, Borja. Criminología crítica y ejecución penal. In: BUSTOS RAMIREZ, Juan. Prevención y teoría de la pena. Santiago: Conosur, 1995.

________. Ejecución y proceso penal. In: VVAA. Jornadas sobre sistema penitenciario y derechos humanos. Buenos Aires: Del Puerto, 1997.

________. Presupuestos de una política penitenciaria progresista. In: VVAA. Francesco Carrara. Homenaje en el centenario de su muerte. Bogotá: Temis, 1988.

________. ¿Pueden los privados de libertad usar móviles para comunicarse? Anales de Derecho, Universidad de Murcia, n. 31, 2013.

________; TERRADILLOS BASOCO, Juan. Las consecuencias jurídicas del delito. Madrid: Civitas, 1996.

MARCÃO, Renato. Curso de execução penal. 11. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

MARCHEWKA, Tânia Maria Nava. Atenção psicossocial no contexto do direito sanitário. In: COSTA, Alexandre Bernardino et al. (Orgs.). O Direito achado na rua: introdução crítica ao direito à saúde. Brasília: CEAD/UnB, 2009.

MARIATH, Carlos Roberto. Limites da revista corporal no âmbito do sistema penitenciário. Disponível em: < http://egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/13588-13589-1-PB.pdf> . Acesso em: 18 dez. 2013.

MARRONE, José Marcos. Há jurisdição na execução penal. Justitia, n. 44, São Paulo, jan.-mar. 1982.

MATHIESEN, Thomas. Ten reasons for not building more prisons. In: Incarceration and Human Rights. Manchester: Manchester University Press, 2010.

MATTHEWS, Roger. Pagando Tiempo: una introducción a la Sociología del Encarcelamiento. Barcelona: Bellaterra, 2003.

MATTOS, Virgílio de. Crime e Psiquiatria: uma saída. Rio de Janeiro: Revan, 2006.

MAYER, Otto. Deutsches Verwaltungsrecht. Berlin: Duncker& Humblot, 1924.

MESSUTI DE ZABALA, Ana Maria. Derecho penal y derechos humanos. Los círculos hermenéuticos de la pena. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 7, n. 28, São Paulo, out.-dez. 1999.

MIOTTO, Armida Bergamini. Curso de Direito Penitenciário. V. II. São Paulo: Saraiva, 1975.

________. Direito penitenciário, Lei de Execução Penal e Defensoria Pública. Revista dos Tribunais, v. 794, São Paulo, dez. 2001.

MIRABETE, Julio Fabbrini. Execução penal. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

MODUGNO, Franco. I “nuovi diritti” nella giurisprudenza costituzionale. Torino: Giappichelli, 1995.

MONTESQUIEU. O Espírito das Leis. São Paulo: Martin Claret, 2003.

MORRONE, Andrea. Il diritto alle ferie per i detenuti. Giurisprudenza Costituzionale, n. 3, p. 1270-1279, Milano, 2001.

MOURA, Maria Esperia Costa et al. Pena: da Remição por Leitura no Estado do Paraná: Análise à Luz da Lei Estadual n. 17.329/2012. Disponível em: < http://www.editoramagister.com/doutrina_24280387_PENA_DA_REMICAO_POR_LEITURA_NO_ESTADO_DO_PARANA_ANALISE_A_LUZ_DA_LEI_ESTADUAL_N_17329_2012.aspx> . Acesso em: 22 jul. 2013.

MOURA, Maria Thereza Rocha de Assis. Execução penal e falência do sistema carcerário. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 29, São Paulo, jan. 2000.

________. Notas sobre a inconstitucionalidade da Lei 10.793/2003, que criou o Regime Disciplinar Diferenciado na execução penal. In: CARVALHO, Salo de (Coord.). Crítica à execução penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

MUSHLIN, Michael B. Rights of prisoners. 4. ed. Vol.1. New York: Thomson West, 2009/2010.

NICOLITT, André. Banco de dados de perfis genéticos (DNA): as inconstitucionalidades da Lei 12.654/12. Boletim IBCRIM n. 245, São Paulo, abr. 2013.

NOGUEIRA, Paulo Lúcio. Comentários à Lei de Execução Penal. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1996.

NUDIVERSIS. Núcleo de Defesa da Diversidade Sexual e Direitos Homoafetivos. Boas práticas para convivência no sistema prisional. Acolhimento da pessoa LGBT no cárcere. Rio de Janeiro: Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro.

OBSERVATOIRE INTERNATIONAL DES PRISONS. Le nouveau guide du prisonnier. Paris: Les Éditions de l´Atelier, 2000.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório sobre a saúde no mundo: saúde mental: nova concepção, nova esperança. Lisboa: OMS, 2001.

PACHECO, Alcides Marques Porto. Considerações sobre a competência nos julgados de execução penal dos incidentes originados nas penitenciárias federais de segurança máxima especial. Revista dos Tribunais, v. 891, São Paulo, jan. 2010.

________. Análise crítica do “(des) controle” normativo-judicial sobre a atividade administrativa nas prisões federais. Revista dos Tribunais, v. 903, São Paulo, jan. 2011.

PACHECO, Natalia C. Reflexiones sobre la constitucionalidad del artículo 14, 2ª parte, del C.P. Argentino (Ley Nacional n. 25.892). In: AROCENA, Gustavo (Dir.). Derecho Penitenciario. Discusiones actuales. Córdoba: Alveroni, 2011.

PACHI, Laís Helena Domingues de Castro. A remição da pena é um direito do condenado e obrigação do Estado. Boletim IBCCRIM, n. 9, São Paulo, out. 1993.

PALOMBARINI, Giovanni. Política criminale e dignità dei detenuti. Disponível em: < http://magistraturademocratica.it/mdem/qg/articolo.php?id=41> . Acesso em: 18 abr. 2013.

________; RENOLDI, Carlo. Una consapevole provocazione: pena detentiva e numero chiuso. Questione Giustizia, n. 5, 2006.

PAVARINI, Massimo. Carcere riformabile. Uno sguardo da Il Ponte sulla riformabilità democratica del carcere. Rassegna Penitenziaria e Criminologica , v. 8, fasc. 1 , p. 80, Roma, 2004 .

________. Della penologia fondamentalista. Iride, n. 32, p. 89-90, Roma, 2001.

________. Fuori dalle mura del carcere: la dislocazione dell´ossessione correzionale. Dei delitti e delle pene. Rivista di studi sociali, storici e giuridici sulla questione criminale, ano IV, n. 2, Bologna, maio-ago. 1986.

________. Governare la penalità. Struttura sociale, processi decisionali e discorsi pubblici sulla pena. Bononia University Press, anno VI, n. 3, Bologna, set.-dez. 2013.

________. Il folle che delinque: rapsodia sul margine. Rivista Sperimentale di Freniatria , v. 135, fasc. 3, Reggio Emilia, 2011.

________. La “lotta per i diritti dei detenuti” tra riduzionismo e abolizionismo carcerari. Antigone, n. 1, Roma, 2006.

________. La neutralizzazione degli uomini inaffidabili. La nuova disciplina della recidiva e altro ancora sulla guerra alle Unpersonen. Studi sulla questione criminale, n. 2, Bologna, 2006.

________. Vivere in meno di 3 metri quadrati. Quando la pena carceraria è disumana e degradante. Disponível em: < http://www.ristretti.it/commenti/2013/marzo/pdf/ articolo_pavarini.pdf>. Acesso em: 26 mar. 2013.

________; GIAMBERARDINO, André. Teoria da pena e execução penal. Uma introdução crítica. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

________; GUAZZALOCA, Bruno. Corso di Diritto Penitenziario. Bologna: Edizioni Martina, 2004.

________; Saggi sul governo della penalità. Letture integrative al Corso di Diritto Penitenziario. Bologna: Edizioni Martina, 2007.

PIMENTEL, Manoel Pedro. O crime e a pena na atualidade. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1983.

PLASTINA, Nadia. L’Italia condannata dalla Corte Europea dei Diritti Dell’uomo per l’insufficienza temporanea dello spazio individuale nella cella assegnata a un detenuto nel carcere di rebibbia nel 2003, ma assolta per la gestione, in quel contesto, della sovrappopolazione carceraria. Cassazione Penale, n. 12, 2009.

POMANTI, Pietro. I provvedimenti di clemenza. Amnistia, Indulto e Grazia. Milano: Giuffrè, 2008.

QUEIJO, Maria Elizabeth. O princípio nemo tenetur se detegere e a coleta de material genético: identificação criminal ou colaboração da prova? Boletim IBCCRIM, n. 250, São Paulo, set. 2013.

QUEIROZ, Paulo. Direito Penal. Parte geral. 6. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

________; MELHOR, Aldeleine. Princípios constitucionais na execução penal. In: CUNHA, Rogério Sanches (Org.) et al. Leituras Complementares de Execução Penal. Salvador: JusPodivm, 2006.

REVIRIEGO PICÓN, Fernando. El derecho de los reclusos. In: SÁNCHEZ GONZÁLES, Santiago (Coord.). Dogmática y práctica de los derechos fundamentales. Valencia: Tirant lo Blanch, 2006.

RIVERA BEIRAS, Iñaki. La devaluación de los derechos fundamentales de los reclusos: la construcción jurídica de un ciudadano de segunda categoría. Barcelona: J.M. Bosch Editor, 1997.

________. La cuestión carcelaria. Historia, Epistemología, Derecho y Política penitenciaria. 2. ed. actual. Buenos Aires: Del Puerto, 2009. v. I.

________. Actuarialismo penitenciario. Su recepción en España. Revista Crítica Penal y Poder. Observatorio del Sistema Penal y los Derechos Humanos. Universidad de Barcelona, n. 9, Barcelona, set. 2015.

RODLEY, Nigel. The treatment of prisoners under the international law. Oxford: Oxford University Press, 1999.

RODRIGUES, Anabela de Miranda. A posição jurídica do recluso na execução da pena privativa de liberdade: seu fundamento e âmbito. São Paulo: IBCCRIM, 1999.

________. Novo olhar sobre a questão penitenciária. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

ROIG, Rodrigo Duque Estrada. A “administracionalização” da execução penal. Revista da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, n. 21, Rio de Janeiro, 2006.

________. Aplicação da pena. Limites, princípios e novos parâmetros. São Paulo: Saraiva, 2013.

________. Direito e prática histórica da execução penal no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Revan, 2005.

________. Crítica ao Instituto da Reincidência Criminal. Revista da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, n. 20, Rio de Janeiro, 2006.

________. Ensaio sobre uma execução penal mais racional e redutora de danos . Revista da Faculdade de Direito da UERJ, v. 1, n. 18, Rio de Janeiro, 2010.

________. O novo papel da Defensoria Pública na execução penal. In: SOUSA, José Augusto Garcia de (Coord.). Uma nova Defensoria pede passagem: reflexões sobre a Lei Complementar 132/09. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

________. Um princípio para a execução penal: numerus clausus. Revista Liberdades. Publicação do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, n. 15, São Paulo, jan.-abr. 2014.

________; SCHARTH, Daniel. Execução penal: cálculo discriminado no crime continuado. Disponível em: < http://jus.com.br/artigos/29 500/execução-penal>.

ROLIM, Marcos. Dos Labirintos. Porto Alegre: Anais da Assembleia Legislativa, 1998.

ROMÁN, Antonio. Pensar internet como elemento de reinserción en los penales argentinos. Jornada “Bibliotecas Penitenciarias: un Lugar para Liberar” organizada pelo GESBI (Grupo de Estudios Sociales en Bibliotecología y Documentación) e pela Biblioteca Nacional. Buenos Aires, 2008.

ROMANO, Rogério Tadeu. Identificação criminal pelo DNA: uma experiência lombrosiana. Disponível em: < http://www.jfrn.gov.br/jfrn/institucional/biblioteca/doutrina/Doutrina305-identificacao-criminal-pelo-dna.pdf> . Acesso em: 12 abr. 2013.

ROVERI, Florencia. El acceso a internet como un derecho en las cárceles. Disponível em: http://www.haciendocumbre.tau.org.ar/noticia_desarrollo.shtml?x=96059> . Acesso em: 27 ago. 2015.

RUIZ, Thiago. Banco de dados de perfis genéticos e identificação criminal: breve análise da Lei 12.654/2012. Boletim IBCCRIM, n. 243, São Paulo, fev. 2013.

RUOTOLO, Marco. Dignità e carcere. Napoli: Editoriale Scientifica, 2011.

________. Diritti dei detenuti e Costituzione. Torino: Giappichelli, 2002.

SABBATINE, Marilda Tregues de Souza. O estado democrático de direito e a pena privativa de liberdade: aspectos jurídicos e sociais. Disponível em: < http://www.webartigos.com/artigos/o-estado- democratico-de-direitoea-pena-privativa-de-liberdade-aspectos-juridicosesociais/13921/>. Acesso em: 8 set. 2013.

SALVI, Giovanni. “La Costituzione non permette questo torto”: La Corte suprema degli Stati Uniti e il sovraffollamento carcerario. Questione Giustizia, n. 6, 2011.

________. Ridurre la popolazione carceraria è un dovere giuridico (leggendo Three Judges Court California, 8 aprile 2009). Questione Giustizia, n. 5, 2009.

SÁNCHEZ GALINDO, Antonio. La judicialización de la ejecución penal. Revista do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, n. 19, v. 1, Brasília, jul.-dez. 2006.

SCHIANNI, María Marta. El modelo de exclusión del derecho penal del enemigo en el régimen de libertad condicional. In: AROCENA, Gustavo (Dir.). Derecho Penitenciario. Discusiones actuales. Córdoba: Alveroni, 2011.

SCHMIDT, Andrei Zenkner. A crise da legalidade na execução penal. In: CARVALHO, Salo de (Coord.). Crítica à execução penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

________. Direitos, deveres e disciplina na execução penal. In: CARVALHO, Salo de (Coord.). Crítica à execução penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

________. Hermenêutica na execução penal. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 38, São Paulo, abr. 2002.

SCHMITTHENNER, Friedrich. Grundlinien des allgemeinenoderidealenStaatsrechts (reimpr.). Hamburg-Berlin-Frankfurt am Main: G. F. Heyer, 1967.

SCOTT, Geoffrey. Arquitectura del Humanismo: un Estudio sobre la Historia del Gusto. Barcelona: Barral Editores S/A., 1970.

SHECAIRA, Sérgio Salomão; CORRÊA JÚNIOR, Alceu. Pena e Constituição. São Paulo: Ed. RT, 1995.

SILVA, Adhemar Raimundo. Estudos de Direito Processual Penal. Salvador: Publicações da Universidade da Bahia, 1957.

SILVA, Haroldo Caetano da. Manual da execução penal. 2. ed. Campinas: Bookseller, 2002.

SILVA, José Adaumir Arruda da; SILVA NETO, Arthur Corrêa da. Execução penal: novos rumos, novos paradigmas. Manaus: Editora Aufiero, 2012.

SILVA, Odir O. Pinto da; BOSCHI, José Antônio Paganella. Comentários à lei de execução penal. Rio de Janeiro: Aide, 1987.

SLOKAR, Alejandro. La ley de los sin ley. In: ZAFFARONI, Eugenio Raúl (Dir.). La medida del castigo. El deber de compensación por penas ilegales. Buenos Aires, Ediar, 2012.

SMITH, Peter Scharff. The Effects of Solitary Confinement on Prison Inmates: a Brief History and Review of the Literature. The University of Chicago Press, Crime and Justice, vol. 34, n. 1, 2006.

SOFRI, Adriano. Correre il rischio del bene. Antigone, n. 3, p. 21-24, Roma, 2006.

SOMMER, Robert. The Social Psychology of the Cell Environment. In: New environments for the incarcerated. Pennsylvania: National Institute of Law Enforcement and Criminal Justice. U.S. Department of Justice, 1972.

SOUZA, Artur de Brito Gueiros. Presos Estrangeiros no Brasil. Aspectos Jurídicos e Criminológicos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

TANGERINO, Davi de Paiva Costa. Culpabilidade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

TAVARES, Juarez. Culpabilidade e individualização da pena. In: BATISTA, Nilo; NASCIMENTO, André (Orgs.). Cem anos de reprovação. Rio de Janeiro: Revan, 2011.

THOMPSON, Augusto. A Questão Penitenciária. 5. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

THORNBERRY, Terence P.; CALL, Jack E. Constitutional challenges to prison overcrowding: The scientific evidence of harmful effects. Hastings Law Journal, 35, p. 313-351, San Francisco, 1983.

TOLEDO, Leonardo Alves de. A remição da pena e a sua efetivação ante a omissão estatal. In: XIMENES, Rafson; DO PRADO, Daniel Nicory (Coords.). Redesenhando a execução penal. A superação da lógica dos benefícios. Salvador: Faculdade Baiana de Direito, 2010.

TOURNIER, Pierre-Victor. Le placement sous main de Justice en France, quelles capacités? Comment ne pas les dépasser? Contribuição ao seminário Population carcérale et “numerus clausus” débat autour d’un concept incertain. Paris, set. 2005.

________. Un détenu = une place de prison: une idée simple qui fait son chemin. Disponível em: < http://leplus.nouvelobs.com/contribution/336148-un-detenu-une-place-de-prison-une-idee-simple-qui-fait-son-chemin.html> . Acesso em: 11 abr. 2013.

UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME. Handbook on strategies to reduce overcrowding in prisons, Vienna, 2013.

VASCONCELOS, Vetuval Martins. Condenação Criminal e Suspensão dos Direitos Políticos. Revista do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, n. 18, v. 1, Brasília, jan.-jul. 2005.

VAY, Giancarlo Silkunas; SILVA, Pedro José Rocha e. A identificação criminal mediante coleta de material biológico que implique intervenção corporal e o princípio nemo tenetur se detegere. Boletim IBCCRIM, n. 239, São Paulo, out. 2012.

VENÂNCIO, Firmiane. Princípio da Intranscendência da Pena e o modelo prisional vigorante. In: XIMENES, Rafson; PRADO, Daniel Nicory do (Coords.). Redesenhando a execução penal. A superação da lógica dos benefícios. Salvador: Faculdade Baiana de Direito, 2010.

VENTURINI, Ernesto; OLIVEIRA, Rodrigo Tôrres; MATTOS, Virgílio de (Orgs.). O louco infrator e o estigma da periculosidade. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2016.

VIANA, Amorim Gilney; CIPRIANO, Perly. Fome de Liberdade. Vitória: Fundação Ceciliano Abel de Almeida, 1992.

VILLARROEL, Heldesio Luis Román. La tenencia de estupefacientes por el interno penitenciario a la luz del caso “Arriola”. In: AROCENA, Gustavo (Dir.). Derecho Penitenciario. Discusiones actuales. Córdoba: Alveroni, 2011.

WEIS, Carlos. Execução penal. Parecer do Conselheiro no Protocolo n. 08037.000012/2006-88. Revista do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, n. 19, v. 1., Brasília, jul.-dez. 2006.

XIMENES, Rafson. Exame criminológico, execução penal e a legislação. In: XIMENES, Rafson; PRADO, Daniel Nicory do (Coords.). Redesenhando a execução penal. A superação da lógica dos benefícios. Salvador: Faculdade Baiana de Direito, 2010.

________. Progressão por salto e racionalidade. In: XIMENES, Rafson; PRADO, Daniel Nicory do (Coords.). Redesenhando a execução penal. A superação da lógica dos benefícios. Salvador: Faculdade Baiana de Direito, 2010.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Cronos y la aporía de la pena institucional (acerca de la interdisciplinariedad constructiva del derecho penal con el derecho de ejecución penal). In: VV.AA. Liber ad honorem Sergio García Ramírez. Cidade do México: UNAM, 1998. t. II.

________. Manual de Derecho Penal: parte general. Buenos Aires: Ediar, 2005.

________. Sistemas Penales y Derechos Humanos/Informe Final. Buenos Aires: Depalma, 1986.

________; PIERANGELI, José Henrique. Manual de direito penal brasileiro – parte geral. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997.

________ et al. La medida cualitativa de prisión en el proceso de ejecución de la pena. Programa de Transferencia de Resultados de la Investigación. Buenos Aires: FD UBA, 2013.

ZAGREBELSKY, Gustavo. Amnistia, Indulto e Grazia. Profili costituzionali. Milano: Giuffrè, 1974.

ZAPPA, Giancarlo. Censura della corrispondenza dei detenuti: profili di incostituzionalità. Rassegna Penitenziaria e Criminologica, n. 1-3, Roma, 1987.

ZYSMAN QUIRÓS, Diego. Castigo y determinación de la pena en los Estados Unidos. Un estudio sobre las United States Sentencing Guidelines. Madrid: Marcial Pons, 2013.

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
25 de Maio de 2022
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1279976211/referencias-execucao-penal-ed-2021