Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

5.4 Princípio do contraditório

5.4 Princípio do contraditório

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

5.4 Princípio do contraditório

Constituição Federal de 1988:

Art. [...]

LV – aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes”.

Constituições anteriores:

Constituição de 1937, art. 122, parte final:

A instrução criminal será contraditória, asseguradas as necessárias garantias de defesa”.

Constituição de 1946, art. 141, § 25:

É assegurado aos acusados ampla defesa. A instrução penal será contraditória”.

Constituição de 1967, art. 150, § 16 e EC 1, de 1969, art. 153, § 16:

A instrução criminal será contraditória, observada a lei anterior quanto ao crime e à pena, salvo quando agravar a situação do réu”.

Contradição, em sentido comum, é vocábulo definido como “oposição às opiniões, ideias e sentimentos de outrem; objeção, desacordo”. E contraditório é aquilo “que contém, envolve ou constitui uma contradição; que tem sentido contrário, incoerente”. 1

Para reconhecer a existência de posições divergentes, necessário que pelo menos duas pessoas tenham opiniões opostas, o que é comum em debates acadê micos, em mesas-redondas, em debates políticos, em assembleias de condomínio e de acionistas de empresas, e mesmo nas situações do dia a dia, como discussões entre vizinhos ou no seio da família.

Assim, a contradição entre as posições entre pessoas manifesta-se antes mesmo da propositura de eventual ação. É possível que a diferença de posições não seja solucionada amigavelmente entre as partes e então, ajuizada e contestada a ação, forma-se o contraditório nos autos processuais.

Como esclarece a doutrina, “[...] a confluência de anseios sobre um mesmo bem da vida é apenas ‘trazida’ para os parâmetros jurídico-processuais em função do monopólio jurisdicional do Estado. Resistida a pretensão, e trazida a resistência para o campo processual, se pode falar em ‘contraditório’. 2

O contraditório traz para o processo importante elemento, que é o mecanismo dialético, que se opera entre as partes.

Em todas as espécies de processos, ambas as partes (autor e réu; promotor e acusado (ou réu); reclamante e reclamado; Administração e indiciado) devem ser ouvidas, o que configura o princípio do contraditório.

Nota-se o caráter dúplice do contraditório: manifesta-se, inicialmente, pela citação do réu, que é oficialmente informado da existência de processo contra si; e, a seguir passam as partes a ser intimadas, para que pratiquem os atos processuais adequados a cada fase do processo. E esses atos devem ser praticados paritariamente, isto é, de forma a respeitar a bilateralidade.

O princípio do contraditório, assim como o da ampla defesa, é de origem remota. Duas passagens da Bíblia ilustram esse princípio: (a) perguntou Jeová a Adão, antes de puni-lo pelo pecado original: “Adão, onde estás?” e (b) o Evangelho de São João adverte: nemo inauditus damnari potest.

Inicialmente, no Direito Romano, o juiz não podia promover o julgamento de quem se recusasse a comparecer em juízo, se a força física do autor não fosse suficiente para obrigar o demandado a fazê-lo. Essa faculdade de comparecer fisicamente perante o julgador somente começou a mudar quando o Pretor criou medidas coercitivas, como a missio in bona, que obrigavam o demandado a comparecer ao chamado para responder a processo.

Passou-se, a seguir, na fase do Direito Romano pós-clássico, a conceber que o tribunal pudesse promover atos processuais e a julgar a causa sem a presença do réu, desde que previamente notificado, de acordo com as formalidades previstas em lei, constituindo-se no chamado processo contumacial. Antes dessa fase, o contraditório só ocorria quando o demandado se apresentava voluntariamente para submeter-se ao julgamento.

Na História mais recente, o contraditório consagrou-se, inicialmente, no processo penal como, aliás, se verifica em nossas Constituições anteriores à de 1988, estendendo-se, depois, para os demais tipos de processo.

Uma evolução deve ser mencionada: no século XIX, sob a óptica do liberalismo então dominante, o princípio era entendido como fazendo parte de uma igualdade formal entre as partes, resumida no binômio informação-reação. Essa visão se encontra hoje superada, e permeia todos os momentos relevantes do procedimento, ultrapassando o mencionado binômio e fazendo parte de sistemas jurídicos em vigor nas democracias. Ou seja, o princípio do contraditório passou a ser uma garantia constitucional do Estado de Direito. 3

Como já anteriormente observado, em nossa atual Constituição Federal os princípios do contraditório (também denominado princípio da contradição) e da ampla defesa foram agrupados em um único artigo, que se aplica aos litigantes em qualquer espécie de processo, tanto o judicial quanto o administrativo.

No entanto, o dispositivo carece de melhor técnica legislativa. 4

Com efeito, o vocábulo “litigantes” é da terminologia técnica do processo civil, em que A litiga contra B, sendo um, o autor (ou demandante), e o outro, o réu (ou demandado). Já no processo penal, considera-se que existe réu, acusado, mas não autor. E, no processo administrativo, fala-se em indiciado, inexistindo a figura do autor.

Portanto, o constituinte empregou o termo “litigantes” para designar, indistintamente, o réu (do processo civil), o acusado (do processo penal) e o indiciado (do processo administrativo).

Inseparável da noção moderna de processo, consiste o princípio do contra ditório uma garantia fundamental da distribuição de Justiça pelo Estado (ou pelo árbitro, em processo arbitral): não se admite, em qualquer espécie de processo, que às partes seja concedido tratamento desigual, do qual resulte qualquer tipo de favorecimento ou vantagem a uma delas, em prejuízo da outra ou de terceiros.

Claro está que, para aqueles que não podem suportar as despesas do proces so, incl…

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
4 de Julho de 2022
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1280763144/54-principio-do-contraditorio-capitulo-5-os-principios-constitucionais-do-processo-civil-fundamentos-principiologicos-do-processo-civil