Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

6.8 Princípio da causalidade

6.8 Princípio da causalidade

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

6.8 Princípio da causalidade

Para melhor compreender o princípio da causalidade, teceremos, inicialmente, breves considerações sobre o conceito de “causa” para, a seguir, estudarmos suas implicações no processo.

Antes mesmo de mencionar que, no processo, causa é sinônimo de ação, feito e processo, examinaremos o significado do vocábulo na Filosofia.

Deve ser mencionado que causa é conceito sempre correlativo a efeito.

Na Antiguidade e entre os cartesianos, o vocábulo tomou um sentido mais amplo que o atual, e que necessita ser mais bem explicado.

Platão distinguiu entre causas primeiras (ou inteligíveis), situadas no plano ideal, e causas secundárias (ou sensíveis e eficazes), correspondentes ao mundo material.

Para Aristóteles, causa não se confunde com razão: causa é um princípio de dependência existente na ordem real das coisas, enquanto razão é aquilo que explica qualquer fenômeno ligado ao campo do conhecimento humano.

E as causas do ser, para Aristóteles, são quatro:

a) causa formal, pela qual se determina a essência da coisa, a forma (eidos), ou o modelo (paradeigma), o que ela é, a razão de ser de uma coisa;

b) causa material, pela qual a matéria (hule) ou o substrato (hupokeimenon) recebe a forma do ser; é a causa formal dos escolásticos;

c) causa eficiente, pela qual a forma atua sobre a matéria, constituindo o princípio da mudança ou do repouso, seja ela deliberada – o escultor é a causa da estátua que esculpiu ou não, caso este em que se trata de uma causa mecânica, quando, por exemplo, as marés desgastam as rochas; e

d) causa final, que é o resultado da causa eficiente quando passa à ação. 1

Na Idade Média, a escolástica e o tomismo desenvolveram a teoria aristotélica sobre a natureza e as espécies de causa.

Para Descartes e os cartesianos, a palavra causa é empregada no mesmo sentido do atribuído por Aristóteles, mas deve ser ampliada para indicar uma relação lógica. 2

Para Espinoza, causa é o que torna uma proposição verdadeira, a premissa a partir da qual pode ser deduzida. 3

No Direito Privado, especialmente no campo do Direito das Obrigações, o vocábulo ca…

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
1 de Julho de 2022
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1280763163/68-principio-da-causalidade-capitulo-6-os-principios-nao-constitucionais-do-processo-civil-fundamentos-principiologicos-do-processo-civil