Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

Fundamentos Principiológicos do Processo Civil

6.23 Princípio da preclusão

6.23 Princípio da preclusão

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

6.23 Princípio da preclusão

Preclusão é o perecimento da pretensão de qualquer das partes à tutela jurisdicional, em virtude da perda de uma faculdade, de um poder ou de um direito processual que lhe caberia.

Tradicionalmente, o processo civil costuma ser dividido em quatro fases:

a) a postulação, em que o autor ajuíza a inicial e o réu contesta;

b) o saneamento, em que as questões meramente processuais ou formais devem ser resolvidas, preparando o processo para ser apreciado no mérito;

c) a instrução, em que são colhidas as provas; e

d) o julgamento, em que é prolatada decisão, resolvendo (ou não) o mérito da causa.

A preclusão, isto é, a perda da faculdade de praticar algum ato processual na fase adequada ocorre ou porque foi praticado outro ato, ou porque a parte deixou passar in albis a fase processual própria, sem praticar ato algum, não fazendo uso de seu direito. 1

É fenômeno que se manifesta por força da ideia de que o processo deve ser finito no tempo, como também devem sê-lo os atos individuais que o compõem, sob pena de prolongar-se ad aeternum, contrariamente ao interesse público, que é o de pacificar litígios. O processo é uma marcha contínua, progredindo em direção à decisão final e, assim, como regra geral, não pode permitir a volta a fases anteriores, superadas.

A preclusão se estabelece sempre que se objetive encerrar a questão, ou dividir o tempo de vida dos processos, ou, ainda, que se comine a perda da faculdade processual de propor ou de contestar ação.

Não se traduz, necessariamente, numa sanção punitiva, embora alguns dispositivos legais assim deem a entender, como o art. 63, § 4º (sem equivalente no CPC de 1973) e o caput do art. 278 do CPC de 2015 (CPC de 1973, art. 245, caput). 2

O caput do art. 223 do CPC de 2015 (art. 183 do CPC de 1973) incorpora o conceito de preclusão, estatuindo que “Decorrido o prazo, extingue-se o direito de praticar ou de emendar o ato processual, independentemente de declaração judicial, ficando assegurado, porém, à parte provar que não o realizou por justa causa”.

Distinguem-se os prazos em próprios e impróprios.

Os prazos próprios são aqueles cujo vencimento acarreta preclusão temporal, daí decorrendo a perda da faculdade de praticar o ato processual. A lei prevê prazos próprios para a prática de atos referentes ao exercício de direitos e o desempenho de ônus processuais.

Os prazos impróprios são aqueles cujo vencimento não implica preclusão temporal; são previstos para o cumprimento de deveres processuais. 3

No direito material, a preclusão ou apanha direitos, ou pretensões, ou ações ou exceções; no direito processual, não atinge o direito material, salvo para criar-lhe exceção, que é encobrimento de eficácia (exceção de coisa julgada material), conforme o art. 268, parágrafo único, do Código de 1973. 4 Dispositivo equivalente é encontrado no § do

Uma experiência inovadora de pesquisa jurídica em doutrina, a um clique e em um só lugar.

No Jusbrasil Doutrina você acessa o acervo da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa, dentro de cada obra.

  • 3 acessos grátis às seções de obras.
  • Busca por conteúdo dentro das obras.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
1 de Julho de 2022
Disponível em: https://thomsonreuters.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/1280763187/623-principio-da-preclusao-capitulo-6-os-principios-nao-constitucionais-do-processo-civil-fundamentos-principiologicos-do-processo-civil